Página inicial > Oriente > Renz (B) – ser o que se é

Renz (B) – ser o que se é

quinta-feira 8 de setembro de 2022

    

tradução

Você tem que ser o que se é em qualquer circunstância e para isto não precisa de nenhum esforço. Você pode lavar a louça, pode assistir televisão, tudo isso é meditação  . Você não precisa de nenhum lugar especial ou silêncio   para tal. Então, talvez algo esteja mudando. Então você retorna ao outro lado, como um pêndulo.

Não muda nada, mas apenas se torna diferente. E se você gosta de mim   como Karl, eu gosto porque gosto de assistir televisão. Não gosto de limpar o chão do mosteiro. Isto se chama personalidade e eu não me importo com isto. É tão bom ou tão ruim quanto tudo e nada precisa mudar   para você ser o que se é, esta é a beleza disto. Nada tem que se ir, nenhuma aceitação é necessária, nada precisa ser feito, nenhuma intenção   tem que se ir, nada do que você possa imaginar precisa mudar de forma alguma para você ser o que se é. Essa é a beleza em si, vamos lá! A beleza que precisa de atenção ou carinho é apenas besteira. Não é beleza; é feio   em sua natureza. A natureza da beleza que você nunca conhecerá e a beleza que você pode conhecer e a beleza que você pode definir   é feia. Então, seja a beleza, mas não conheça a beleza. E não seja algo belo porque assim você será enganado pela beleza.

Estávamos falando de esforço. É um fazer sem fazer e o não fazimento  . O que se é nunca levantou um dedo. Nunca houve nenhum esforço no que se é – nunca, nunca. O bastardo mais preguiçoso que se é. A preguiça   da preguiça, nunca fez nada. É como um sonho  . Assim como você não pode dizer que fez algo no sonho, não pode dizer que fez algo aqui. Você pode afirmar que fez algo no sonho? Você pode criar um mundo totalmente diferente, um universo   inteiro no sonho sem nenhum esforço. Você pode afirmar que foi por esforço? Então você tem alguma ação neste sonho. É por isto que eles chamam isto de acordar disto. Que você tem um esforço, que o sonho é real ou algo assim. O sonho muda o tempo todo fora do seu esforço de sonho. Parabrahman   não precisa de nenhum esforço neste sonho, assim como à noite você não precisa de nenhum esforço para sonhar com um personagem totalmente diferente, um mundo totalmente diferente, uma personalidade totalmente diferente. Às vezes você sonha o drama   inteiro, o mundo inteiro e nada acontece. Então você acorda e diz: ’Graças a Deus  , foi apenas um sonho’. Isto é acordar. Isto é o mesmo; tão somente que ninguém acorda deste sonho.

Aquele que acorda em um insight adormecerá novamente. É um insight relativo e quem tem um insight relativo volta a dormir. O insight mais profundo não é bom o suficiente. Nada nunca é bom o suficiente para o que se é. O que quer que você experimente nunca lhe dará a experiência do que se é. É tudo fútil. Tudo vai e vem.

Original

You have to be what you are in any circumstance and for that it doesn’t need any effort. You can do your dishes, you can watch television, all of that is meditation. You don’t need any special place or silence for that. So, maybe something is changing. Then you’re back to the other side, like a pendulum.

It will not change anything but it will just become different. And if you like me as Karl, I like it because I like to watch television. I don’t like to clean the floors of the monastery. That’s called personality and I don’t mind   it actually. It’s as good or as bad as everything and nothing has to change for you to be what you are, that’s the beauty of it. Nothing has to go, no acceptance is needed, nothing needs to be done, no intention has to go, none of whatever you can imagine has to change in any way for you to be what you are. That’s the beauty itself, come on! The beauty that needs attention or caring is just bullshit. It’s not beauty; it’s ugly in its nature. The nature of beauty you will never know and the beauty you can know and the beauty you can define, is ugly. So, be the beauty but don’t know beauty. And don’t be beautiful because then you’re fooled by beauty.

We were talking about effort. It’s a doingless doing and the doinglessness. What you are never lifted one finger. There was never any effort in what you are – never ever. The laziest bastard you are. The laziness of laziness, never did anything. It’s like a dream. Just as you cannot say that you did something in the dream, you cannot say that you did something here. Can you claim that you have done something in the dream? You can create a whole different world, an entire universe in the dream by no effort. Can you claim that it was by effort? Then you have some action in that dream. That’s why they call it waking up from that. That you have an effort, that the dream is real or something. The dream changes all the time out of your dream effort. Parabrahman doesn’t need any effort in this dream, just as in night you don’t need any effort to dream a totally different character, totally different world, totally different personality. Sometimes you dream the whole drama, whole world and nothing happens. Then you wake up and say, ‘Thank God it was only a dream.’ That’s waking up. This is the same; it’s just that no one wakes up from this dream.

The one that wakes up in an insight will fall asleep again. It’s a relative insight and the one who has a relative insight, goes   back to sleep. The deepest insight is not good enough. Nothing is ever good enough for what you are. Whatever you experience will never ever give you the experience of what you are. It’s all futile. It will all come and go.


Ver online : KARL RENZ