Página inicial > Oriente > Wei Wu Wei (OS:2) – Pseudo-problema do Sofrimento

Wei Wu Wei (OS:2) – Pseudo-problema do Sofrimento

quarta-feira 31 de agosto de 2022

    

tradução

Quem há aí para sofrer  ?

Só um objeto poderia sofrer.

Não sou   um objeto (nenhum objeto poderia ser eu), e não há nenhum eu-objeto nem eu-sujeito  , ambos os quais seriam então objetos.

Portanto não posso sofrer.

Mas aparece sofrimento, e seu oposto, tanto prazer e dor  . São aparições, mas são experienciadas. Por quem, por que, elas são experienciadas?

Elas são aparentemente experienciadas, e por meio de uma identificação do que sou com o que não sou, ou, se preferir, pelo que não somos, ilusoriamente identificado com o que somos.

O que somos não conhece dor ou prazer, o que somos, como tal, não conhece nada, pois em nenhum caso há uma entidade objetiva para sofrer experiência.

Qualquer que possa aparecer   ser a intensidade das sensações, no sonho   da manifestação elas são efeitos de causas em uma sequencia temporal, e aparte da sequencia temporal na qual desenvolvem elas não estão nem como causa   nem como efeito.

Não há ninguém para sofrer. Aparecemos em sofrimento como um resultado de nossa identificação ilusória com um objeto fenomênico.

Possamos pelo menos compreender.

O que somos é invulnerável e não pode ser cerceado.

Original

Who IS there to suffer?

Only an object could suffer.

I am not an object (no object could be I), and there is no I-object nor I-subject, both of which would then be objects.

Therefore I cannot suffer.

But there appears to be suffering, and its opposite, both pleasure and pain. They are appearances, but they are experienced. By whom, by what, are they experienced?

They are apparently experienced, and by means of an identification of what I am with what I am not, or, if you prefer, by what we are not, illusorily identified with what we are.

What we are does not know pain or pleasure, what we are does not, as such, know anything, for in neither case is there an objective entity to suffer experience.

Whatever intensity sensations may appear to have, in the dream of manifestation they are effects of causes in a time-sequence, and apart from the time-sequence in which they develop they are not either as cause or as effect.

There is no one to suffer. We appear to suffer as a result of our illusory identification with a phenomenal object.

Let us at least understand.

What we are is invulnerable and cannot be bound.


Ver online : Wei Wu Wei – Open Secret