Página inicial > Antiguidade > Bodas do Cordeiro

Bodas do Cordeiro

domingo 20 de março de 2022

      

Traduzido e anotado por Antonio Carneiro
BODAS   DO CORDEIRO
Para encarar, nesse contexto, os destinos escatológicos das formas tradicionais, sob um ângulo menos conhecido, examinaremos os dois   símbolos tibetanos, quase idênticos, do « Grande Hum » e do « Namtchouwangdan » — este último sendo expressamente ligado à doutrina   cíclica do Kalachakra (ou « Roda da Existência que vem de « Agarttha - Shamballah » do século XI. As correspondências microcósmicas e macrocósmicas desses dois símbolos permitem, por adaptação ao período atual do ciclo  , estudar o papel das diversas tradições ou sub tradições, atualmente em ação na « biologia » terrestre.

O Namtchouwangdan e o Grande Hum são símbolos quaternários — assim como se pode julgar segundo as figuras a seguir — que, como tais, são suscetíveis de se aplicar à divisão igualmente quaternária dos ciclos cósmicos e de suas sub múltiplas de diversas ordens.

São derivadas do ponto de vista principial [1] de OM   - Aum, que é a fonte   da Manifestação Universal  . Nesta etapa corresponde o estado   sem distinção de castas. As etapas seguintes são: KRITA-YUGA  ; TRETA-YUGA; DWAPARA-YUGA; IDADE SOMBRIA - KALI-YUGA.

Mas, primeiramente, é necessário lembrar-se que o fim do ciclo comporta a passagem por uma etapa abaixo da distinção das castas, correspondente ao reino dos mais vis dos homens, os Tchandalas [2], que, segundo seu modo de geração (fecundação de uma mulher   brâmane por um Shudra) correspondente à submissão voluntária das faculdades   dos Brâmanes   às faculdades dos Shudras. Além disso, o poder soberano dos Tchandalas se estenderá ao conjunto   da terra   e da humanidade, para além dos diversos povos e Estados, e exceção feita somente para um pequeno número de homens.

  • Quatro Tradições - AS QUATRO TRADIÇÕES

[1“principiel” em francês no texto, usado por Roland Barthes como relativo ao princípio quando é a causa de alguma coisa.

[2Les Pariah dans l’Humanité, par Louis Jacolliot, A. Lacroix & Cie. Éditeurs, Paris, 1876.