Página inicial > Modernidade > Santos Simbolismo Números

Santos Simbolismo Números

domingo 20 de março de 2022

    

A SIMBÓLICA DE OUTROS NÚMEROS
Consideravam os pitagóricos o número   dez a unidade   sintética, a unidade universal  . A diferença   entre 1 e 10, é que este é ontologicamente posterior   ao Um, pois a antecedência do Ser Supremo é ontologicamente necessária. É o ato puro que antecede a todas as coisas. O 10, como símbolo da unidade sintética, da unidade cósmica, é a unidade do Criador e da Criatura; ontologicamente posterior.

Consideram assim os pitagóricos o 10 um número sagrado  , a tetractys, pela qual juravam, cuja maneira gráfica de simbolizar por pontos, já examinamos.

Vemos no dez a ordem do quaternário, o 4, a ordem triádica, o 3, a ordem da Díade  , o 2, e o 1, apontando à substância   universal, a tensão primária, da qual surge o ser finito. Dessa forma, o 10 é símbolo da ordem cósmica, da dependência harmônica da criatura ao criador, a grande unidade sintética.

Mas ao cósmico   pode sobrevir o acósmico. O acósmico é uma tentativa de rompimento da ordem, é uma desmesura, uma quebra da harmonia  , o pecado  , a ofensa ao espírito   santo das coisas. Figurar o homem   como um mero autômato é romper a ordem do homem, é uma manifestação   de “a-cosmia”. E também o é utilizar algo para fins que não são os seus, por lhe serem desproporcionais. Há aqui um ofender a ordem das coisas, embora não se dê ainda, em suas características principais, o pecado, a ofensa, a monstruosidade.

Dizia Aristóteles   que "a virtude   é no ser perfeito a disposição   ao melhor. Perfeito se entende o que está de posse de sua natureza" (Física, 7).

Portanto, a bondade de uma coisa consiste em realizar-se convenientemente no sentido da sua natureza. O que falta à perfeição de uma natureza é o que se chama vicio (vitium).

O que é a natureza da coisa é primordialmente a sua forma. E a forma do homem é ser racional. Ofender à racionalidade do homem (no amplo sentido que já temos exposto em nossos trabalhos) é ofender a natureza humana.

O vicio é o contrário da virtude. E vício tudo quanto é contrário à natureza humana. O pecado é, em suma, o ato do vicio. E pecado ofender a natureza das coisas.

Esse atuar contra a natureza das coisas é algo que rompe, de "certo modo", a harmonia da natureza. É algo que se coloca ante a síntese suprema do 10.