Página inicial > Modernidade > Santos Psicologia Simbologia

Santos Psicologia Simbologia

domingo 20 de março de 2022

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA MODERNA À SIMBOLOGIA
A psicologia de profundidade e a necessidade de realizar a análise mais profunda do psiquismo humano obrigaram a muitos psicólogos modernos a se dedicarem ao estudo dos símbolos, sobretudo ao verificar que não só no sonho, como na linguagem, e nas atitudes, tanto do artista como dos neuróticos e psicóticos, encontramos um emprego constante do símbolo. É o que se pode verificar também na criança, e sobretudo na linguagem dos povos chamados primitivos. O acúmulo de fatos verificados está a exigir a construção de um conjunto de regras, fundadas nas observações, afim de se estabelecer um nexo da simbólica, pois certamente ela o terá.

As construções da lógica formal e da dialética permitem-nos estabelecer o nexo de ordem formal, dos conceitos, como a matemática estabelece o nexo dos números. O emprego do símbolo desde logo se percebeu que não poderia ser produto do acaso, mas que encobria um nexo intencional, cuja investigação é uma das exigências que foram postas ao espírito moderno.

Sem desmerecer as grandes contribuições do passado, impõe-se agora prestemos melhor atenção ao que realizam, neste século, psicólogos em profundidade.

É do conhecimento geral os trabalhos levados a efeito nesse setor por Freud   e seus discípulos. E como não seria possível empreender uma ampla investigação sobre o que se realizou até aqui, vamos nos ater apenas àquelas contribuições que se coadunam com as opiniões por nós expostas no decorrer desta obra.

Desejamos chamar sobretudo a atenção para os trabalhos de Jung  . Antes queremos, no entanto, salientar que os estudos realizados por Riklin, Rank, Mader e Abraham, vêm revelar que, no campo do simbolismo, predomina a analogia, como já o afirmamos.

O ter-se compreendido que as imagens oníricas devem ser entendidas simbolicamente, é um dos postulados da psicologia moderna, como já o fôra da "antiga", mas que, no decorrer do século dezenove, havia sido "esquecido". Contudo, ainda encontramos em nossos dias declarada oposição por parte de alguns psicólogos. A significação simbólica das imagens oníricas pode ser considerada, como muito bem o faz Jung  , uma verdade trivial.

Tradicionalmente conhecemos as referências sobre os oniromânticos do Egito e da Caldéia. A interpretação dos sonhos, feita por José, e os de Daniel, que a Bíblia   nos descreve, como ainda algumas obras de indiscutível valor que chegaram até nós, como, sobretudo, a de Artemiodoro : "O livro dos sonhos", mereceram de Jung   e de seus discípulos acurados estudos.

O sonho revela-nos sua raiz em nossa alma, numa atividade pouco conhecida, que é chamada de subconsciente. Se considerarmos os sonhos apenas através das imagens oníricas, parecem-nos eles contraditórios e absurdos, mas a interpretação simbólica, à qual se prestam, permite traduzir um sentido mais claro e um nexo fundamental. O mesmo também encontramos na linguagem poética, a qual o nexo simbólico permite compreender melhor.

  • Linguagem Simbólica
  • Imagens Oníricas