Página inicial > Oriente > Brihadaranyaka Upanixade 1

Brihadaranyaka Upanixade 1

domingo 20 de março de 2022

      

"Driptabalaki, do clã dos Gargyas, era um homem   de vastos conhecimentos. Um dia, ele foi ter com Ajatasatru, rei de Benares, e disse:

— "Posso instruir-vos sobre Brahman?"

Ajatasatru respondeu: "Dar-te-ei mil prendas se o conseguires, e então o povo espalhará correndo esta notícia : O nosso rei é tão generoso como o rei Janaka".

Então, Gargya, iniciando o seu discurso disse:

— "No Sol, lá no alto, existe um espírito  , adoro esse espírito como Brahman".

— "Não me fales dele desta maneira", respondeu-lhe Ajatasatru.

"Considero o Sol apenas como o regedor da radiação e o rei de todos os seres da terra  . Aquele que o adora deste modo torna-se o Senhor, o Chefe, e o Rei de todos os seres".

Então Gargya disse: "Há um espírito na longínqua Lua  , adoro esse espírito como Brahman".

Ajatasatru respondeu-lhe: "Não me fales dele deste modo. Apenas considero a Lua como o grande rei Soma, envolto em vestes alvas. Aquele que assim o adora recebe diariamente o suco do Soma e nunca lhe falta a comida".

— "Existe um espírito no relâmpago", disse Gargya, "adoro esse espírito como Brahman".

— "Não me fales dele dessa maneira", disse o rei. "Considero o relâmpago apenas como uma coisa ofuscante. Aquele que o adora desse modo torna-se ofuscante, e ofuscante serão os seus filhos".

Então, Gargya disse: "Existe um espírito no espaço etéreo, adoro esse espírito como Brahman".

— "Como podes dizer isso?", replicou o rei. "Considero o espaço etéreo apenas como a plenitude   que não se envolve. Aquele que o adora desse modo enche-se de plenitude, de descendência, e de gados, e os seus descendentes não desaparecem deste mundo.

Então Gargya disse: "Há um espírito no vento e adoro esse espírito como Brahman".

Ajatsatru respondeu:

— "Não me fales desse modo. Adoro o vento apenas como o invencível Indra  ,.um exército inconquistável. Aquele que o adora desse modo torna-se um conquistador invencível que conquista todos os outros".

Então Gargya disse:

— "Existe um espírito no fogo  . Adoro esse espírito como Braman"

Ajatasatru respondeu-lhe:

— "Não me fales dele desse modo. Adoro o fogo como um ser todo-poderoso. Aquele que o adora desse modo torna-se todo-poderoso, e, poderosa se torna a sua descendência".

Então Gargya disse:

— "Há um espírito na água, ao qual, adoro como Brahman".

Ajatasatru respondeu-lhe:

— "Como podes dizer isso? Adoro esse espírito como uma reflexão   maravilhosa. Aquele que o adora desse modo é servido por tudo quanto reflecte a sua própria natureza, e os seus descendentes também a refletem".

Então Gargya disse:

— "Existe um espírito no espelho  , adoro-o como Brahman".

O rei respondeu-lhe:

— "Então me fales dele desse modo, porque adoro esse espírito como brilhante. E aquele que assim o adora torna-se brilhante, como brilhante é a sua descendência. Além do mais, em contacto com os outros, ele supera-os no seu brilho".

Então Gargya disse:

— "Existe um espírito no som   dos passos do homem, adoro esse espírito como Brahman".
Ajatasatru respondeu-lhe:

— "Não me fales dele desse modo, porque eu o adoro como vida. E aquele que assim o adora, torna-se a força da vida, e, na lida do mundo, o sopro vital não o abandona antes do seu tempo  ".

Então Gargya disse:

— "Existe um espírito nos pontos cardiais; adoro esse espírito como Brahman".
Ajatasatru respondeu-lhe:

— "Não me fales dele desse modo, porque eu o adoro como o segundo que é inseparável da Unidade  . Aquele que as sim o adora, adquire esse "segundo" e não é afastado pela pluralidade".

Então Gargya disse:
— "Existe um espírito na sombra; adoro esse espírito como Brahman".

Ajatasatru, respondeu-lhe:

— "Não me fales dele desse modo, porque o adoro como um reflexo da morte. Aquele que o adora desse modo, torna-se poderoso neste mundo, e a morte não o colhe antes do seu tempo".

Gargya disse:

— "Existe um espírito no corpo humano; adoro esse espírito como Brahman".

Ajatasatru respondeu-lhe:

"Não me fales dele desse modo, porque o adoro como o possuidor de uma entidade. Aquele que assim o adora, vem a possuir essa entidade, como também os seus descendentes". Gargya manteve-se silencioso. Então o Rei perguntou-lhe: - "É tudo?"

— "É tudo!" respondeu Gargya. Disse o Rei:

— "Se isso é tudo, então, nada sabemos!" Gargya dirigiu-se ao Rei:

— "Consentis que eu seja o vosso discípulo?" Ajatasatru respondeu-lhe:

— "É contra os constumes um Brahmane aproximar-se de um Príncipe e pedir-lhe que discurse sobre Brahman. Contudo, eu te instruirei com toda a clareza  ".