Página inicial > Medievo - Renascença > Calisto Telikoudes Prática Hesicasta

Calisto Telikoudes Prática Hesicasta

domingo 20 de março de 2022

      

Sobre a prática hesicasta
Não há como se arrepender - metanoia   - sem hesíquia - hesychia   -. Não é de todo possível alcançar a pureza   sem anacorese - anachoresis   -. Não se pode ao mesmo tempo   encontrar e ver os homens, e ser julgado digno de encontrar e de contemplar Deus  . É portanto àqueles vigilantes ao arrependimento - metanoia - devido a suas faltas, e à purificação das paixões - pathos   -, que é dado o desfrute do encontro e da contemplação de Deus. Tais são a finalidade e a meta   daqueles que conduzem suas vidas em Deus, e tais são, se assim posso dizer, as garantias da herança eterna e de Deus, que recebem aqueles que, por todos os meios, buscam a hesíquia - hesychia -. Eles são, para seu bem, convidados a se retirar na solidão   e de fugir   dos homens. Eis tudo aquilo que demanda o estado   de sua alma   - psyche -.

O começo dessas coisas é portanto o pesar - penthos -, a culpa   e a condenação de si-mesmo, que se assume na hesíquia - hesychia -, a fim de tornar-se mais puro. Depois vêm as vigílias, as horas passadas a orar em pé, a temperança - enkrateia   -, as penas corporais, que conduzem finalmente às lágrimas, as quais correm dos olhos votados à humildade  , na compunção - katanyxis   - do coração  . É assim que nos aproximamos da purificação. É por esta ação - praxis   - que aí chegamos, que enfim alcançamos a paz   dos pensamentos, ao mesmo tempo que correm as lágrimas, como se disse.

E é então que a inteligência   - nous - começa dela mesma a examinar a natureza dos seres, a buscar   a arte de Deus, a conceber os pensamentos divinos, a contemplar o poder  , a sabedoria, a glória  , a bondade e outros atributos de Deus. Ela se põe em obra, e aproxima-se dos segredos da Escritura. Ela saboreia os bens sobrenaturais. Ela desfruta da beleza maior que o mundo. Ela se faz lugar   do amor de Deus. Ela é tomada. Ela se regala e exulta de se elevar ao cimo das virtudes - arete   -, o amor do Criador do universo  . Ela cessa doravante de portar e temer o erro  . Ela só pode suportar os impulsos pecadores e as desordens que lhe são impostos por diferentes causas, pois ela está sujeita ao câmbio. É preciso então voltar-se para si própria, e guardar-se longe do desespero  . É preciso elevar-se   sobre as asas da esperança, em direção   ao divino   que porta o amor do homem  , consagrar-se às lágrimas, à prece  , aos outros bens que falamos, e, tanto quanto possível, desfrutar as delícias do divino Paraíso   do amor: nada mais ver, nem figura, nem espessura, nem forma, nada mais além das lágrimas, a paz dos pensamentos e o amor de Deus. É assim que nos guardamos de todo erro   e que adquirimos a salvação - soteria   - da alma. Pois a alma então é modesta, sóbria e vigilante - nepsis -, e orante, no Cristo   Jesus nosso Senhor  .