Página inicial > Oriente > Balsekar (CS) – Tudo o que há é Consciência

Balsekar (CS) – Tudo o que há é Consciência

sexta-feira 9 de setembro de 2022

    

tradução

Tudo o que há é Consciência  . Neste estado   original — chamado Realidade, Absoluto, Nada — não há razão   para ser consciente de nada. Assim a Consciência-em-repouso não é consciente de Si mesma. Se torna consciente de Si mesma somente quando este súbito   sentir, Eu Sou  , surge. Eu Sou é o sentir impessoal do ser consciente. E isso se dá quando a Consciência-em-repouso se torna Consciência-em-movimento  , quando a Energia Potencial se torna energia atual. Não são duas. Nada separado decorre da Energia Potencial.

A Consciência-em-movimento não é separada da Consciência-em-repouso. A Consciência-em-repouso se torna Consciência-em-movimento, e este momento que a ciência chama o Big Beng, o místico   chama o súbito surgimento da consciência.


Quando se fala de Realidade, se converteu a Realidade em um conceito. A Realidade, como uma palavra, é um conceito. Realidade, como Realidade, não é algo que se possa pensar. Quando se é a Realidade, não se pode falar da Realidade. De modo que o momento que se fala ou se pensa de algo, é em sua fenomenalidade e portanto conceitual.
Não há qualquer problema com o Eu  -Eu e o Eu Sou, porque não são dois  . Consciência-em-repouso é Eu-Eu. Quando Ela está em movimento é Eu Sou. De modo que Eu-Eu é um conceito com o qual não se está preocupado. É somente um conceito. O que concerne é Eu Sou.
É certo que Eu Sou é a totalidade   da manifestação  , incluindo o estado de sono, porque aí encontra-se um corpo e porque está na fenomenalidade. De modo que quando não há manifestação há somente Eu-Eu. A questão conceitual, de onde veio o Eu Sou, é respondida:o Eu Sou é a Energia impessoal, ativada em manifestação, e Eu-Eu é a Energia Potencial. O «Eu» pessoal que qualquer um pensa ser, é a Energia impessoal identificando-se como um ego que pensa que é um fazedor e necessita saber. Quando não há mais questões então não há fazedor. Quando não há fazedor, não há ego. E quando não há ego, então o Eu Sou brilha a partir de um organismo corpo-mente   sem identificação pessoal. Quando o organismo corpo-mente morre, então o Eu Sou continua como Eu Sou. E quando a totalidade da manifestação tem fim, então Eu Sou é Eu-Eu, Consciência-em-repouso. E tudo isto é um conceito.

Original

All there is, is Consciousness. In that original state, call it Reality, call it Absolute, call it Nothingness, in that state there was no reason to be aware of anything. So Consciousness-at-rest was not aware of itself. It became aware of itself only when this sudden feeling, I Am, arose. I Am, is the impersonal sense   of being aware. And that was when Consciousness-at-rest became Consciousness-in-movement, when potential energy became actual energy. They are not two. Nothing separate comes out of the potential energy.

Consciousness-in-movement is not seperate from Consciousness-at-rest. Consciousness-at-rest has become the Consciousness-in-movement, and that moment that science calls the Big Bang the mystic calls the sudden arising of awareness.


When you talk of reality, you have converted reality into a concept. Reality, as a word, is a concept. Reality, as reality, is not something that you can think of. When you are the reality, you cannot talk of reality. So the moment you talk or think of something, it is in phenomenality and therefore conceptual.
Lance I am having problems with the I-I and the I Am.

Ramesh There is no problem because they are not two. They are not two. Consciousness-at-rest is I-I. When It is in movement It is I Am. So I-I is a concept with which you are not really concerned. It is just a concept. What you are really concerned with is I Am.


Then where did I Am come from? That is a conceptual question. And for that conceptual question the conceptual answer is I Am is the activized, impersonal Energy in manifestation, and I-I is the Potential Energy. The personal “I” which Lance thinks “he” is, is the impersonal Energy identifying as an ego which thinks it is a doer and needs to know. When there truly are no more questions, then there is no doer. When there is no doer, then there is no ego. And when there is no ego, then the I Am shines forth from a body-mind organism without personal identification. When the body-mind organism dies  , then the I Am continues as I Am. And when the totality of manifestation ends, then I Am is I-I, Consciousness-at-rest. And all of this is a concept.


Ver online : Ramesh Balsekar