Página inicial > Antiguidade > kenosis

kenosis

segunda-feira 18 de julho de 2022

    

No NT há kenos   (vazio, comum na literatura paulina) e kenon (esvaziar):

Mas estes, apoderando-se dele, o espancaram e o mandaram embora de mãos vazias. (Mc 12:3)

O verbo   kenoo enfatiza o esvaziar, o tornar vazio. Paulo às vezes o emprega na negativa: coisas que não se podem tornar vazias, i.é., "anular", como o caso da fé, a cruz de Cristo  . Esvaziar-se de si mesmo  , heauton ekenosen é uma expressão   controversa.

Tende em vós aquele sentimento   que houve também em Cristo Jesus, o qual, subsistindo em forma de Deus  , não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo  , tornando-se semelhante aos homens; (Fil 2:5-7)

VIDE: SUNYATA


Notions philosophiques

gr. kenón. Como objeto do pensamento   filosófico, o espaço vai ser tratado sob diversas apelações pelos primeiros filósofos gregos. Já Anaxímenes   e Anaximandro   pensam a matéria originária como sendo estendida sem limite espacial nem temporal. Enquanto os Eleatas Parmênides   e Melisso negavam, em conformidade a sua ontologia, a existência do vazio (= não-ser  ), os pitagóricos afirmavam um vazio infinito   cercando o mundo. Zenão   de Eleia, a fim de mostrar a impossibilidade do movimento   e da pluralidade dos seres, mostrou as aporias inerentes ao conceito de extensão  , infinitamente divisível   ou não. Em oposição a Empédocles   e Anaxágoras  , que como os Eleatas negavam o vazio, os atomistas consideravam o kenon como complemento indispensável dos átomos, sendo dado que ele os separa e torna assim possível seu movimento. O conjunto   da especulação   pré-socrática sobre a oposição entre o pleno   (to pleon) e o vazio (to kenon), que encontra correspondência ontológica na relação   entre o ser (material ou não) e o não-ser, comportava portanto a elucidação dos problemas relativos à natureza e à dimensão do espaço, e a sua diferenciação dos corpos que o ocupam, embora o termo khora só seja utilizado a partir de Platão. Para ele, o espaço é a condição necessária para que as Ideias transcendentes possam ser realizadas no mundo do devir sensível. Sem forma ele mesmo, o espaço tem por função receber   as imagens cambiantes das Formas ideais, sem que no entanto possa ser assimilado à categoria de matéria constituindo os corpos sensíveis. Embora as metáforas obscuras do Timeu   tornem difícil uma apreciação definitiva, Platão parece pensar o espaço como receptáculo  , e a matéria neste receptáculo como um espaço vazio limitado pelas superfícies geométricas.

Gobry

gr. kénôsis: esvaziamento, depleção, pobreza  , desprendimento  ; kenón (tó), vazio, vácuo. Latim: vacuum. O vácuo é considerado pelos gregos de dois   modos   diferentes: ou como fator de imperfeição, que põe em causa   a totalidade e a perfeição da realidade   (escola eleática), ou como fator de harmonia  , que permite a diferenciação, a complementaridade e o movimento dos diferentes elementos   da realidade. Para o problema da existência do vácuo interior   ao mundo sensível  , duas respostas: ele existe (atomistas: Leucipo, Demócrito, Epicuro  ); ele não existe (Parmênides, Platão, Aristóteles  ).

Mestre Eckhart

VAZIO, SOLTO, LIVRE (LEER, LEDIG, FREI) (Leer. vazio; ledig: solteiro)
A palavra ledig, frequente nos sermões de Eckhart  , significa vazio. Só que para nós  , hoje, vazio conota privação  , carência. Como tal, não entoa com precisão a sonoridade em que vibra a palavra ledig como quando é usada nos sermões de Eckhart. Aqui ledig não indica em primeiro lugar lacuna, algo como buraco vazio, onde somente há o vácuo, onde não há nada. Diz antes o espaço livre a modo de uma vasilha pronta para receber o líquido. Refere-se, pois, ao modo de ser, todo próprio  , "positivo", digamos, solto, na dinâmica de relaxe; portanto, livre, sem obstáculos, à vontade, espontâneo  . É o modo de ser desprendimento - des-prendido, isento de impedimentos, sem preocupação. Daí, ledig conota também a acepção de ocioso [1]. Hoje, no uso cotidiano do alemão moderno, ledig significa antes de tudo solteiro, portanto livre de compromisso e da amarração do casamento  . Parece ser de importância decisiva, para compreender o pensamento de Eckhart, precisar esse modo de ser ledig, isto é, do desprendimento - des-prendimento, numa "positividade" toda própria, bem destacada na sua dinâmica. Aqui, como também nas palavras Abgeschiedenheit, abgeschieden (desprendimento, desprendido), traduzidas muitas vezes em referência à renúncia, abnegação, pode-se deformar o sentido próprio desses termos, se de antemão são colocados no medium   da espiritualidade de privação, de Sacrifício - sacrificação. O que sói usualmente acontecer, quando traduzimos ledig por vazio, livre de impedimentos, pois com isso já entendemos a soltura da plenitude   da identidade, nela mesma a partir do que a prende. Na nossa tradução, por falta de recurso, traduzimos ledig como solto, mas conforme o contexto como vazio, livre, desprendido, isento, e muitas vezes como virgem, virginal. O disposto, a disposição   e disponibilidade, vistos como fenômenos vivos, nos fazem ouvir   o termo ledig na sonoridade da pura e límpida disponibilidade e dis-posição   cordial da existência humana, na doação e recepção no amor. É a partir dali que, por exemplo, o vazio de um cálice afeito a receber o precioso vinho da hospitalidade pode nos acenar para o que é a afeição   pura da cordial recepção grata do ser humano   no seu ser todo próprio da existência, sempre na soltura dela mesma, isto é, ser cada vez livre. [Excertos de “Mestre Eckhart Sermões Alemães”, tradução de Enio Paulo Giachini]


Ver online : KENOSIS


[1Ocioso aqui não significa preguiçoso, inerte, mas referido a otium no sentido de não estar preso a negócio (nec-otium), portanto à disposição de uma ação livre, que tem o móvel de sua ação a partir e dentro de si mesma.