Página inicial > Medievo - Renascença > Ibn Arabi (Fusus): I - Adão §15

Ibn Arabi (Fusus): I - Adão §15

domingo 20 de março de 2022

      

Quando Deus   disse a Iblis  : “O que te impede de te prosternar diante daquele que Eu criei com Minhas duas Mãos?” (Corão, XXXVIII, 75), a menção das duas Mãos indica uma distinção para Adão; Deus fez assim alusão à união   em Adão das duas formas, a saber da forma do mundo (análoga às Qualidades divinas   passivas) e da “forma” divina (análoga às Qualidades divinas ativas), que são as duas Mãos de Deus [1]. Quanto a Iblis, ele é apenas um fragmento do mundo; ele não recebe a natureza sintética em virtude da qual Adão é o representante de Deus. Se Adão não estivesse manifestado na “Forma” d’Aquele que lhe confia Sua representação em relação aos outros, ele não seria Seu representante; e se ele não contivesse tudo aquilo que tem necessidade   o rebanho que deve guardar — é dele que este rebanho depende, e ele deve satisfazer a todas as suas necessidades, — ele não representaria Deus para os os outros (criaturas).

Ibn Arabi (Fusus): I - Adão §14Ibn Arabi (Fusus): I §16


Ver online : Parágrafos do Fusus - Adão


[1O simbolismo das duas Mãos de Deus encontra-se na Qabbalah, notadamente no Zohar, onde elas são comparadas ao Céu e a Terra enquanto princípios ativo e passivo da manifestação.