Página inicial > Antiguidade > Platão: República II

Platão: República II

sábado 9 de abril de 2022

    

PLATÃO - REPÚBLICA II

Entre a concepção crematística de Céfalo e o paradoxo do Sofista  , ficaram sem consistência os alicerces morais da Justiça. Por isso, no princípio do Livro II, se insiste em querer saber a natureza da justiça e da injustiça   «sem ligar importância a salários nem a consequências» [1].

Os dois   irmãos de Platão querem, portanto, a demonstração de que a justiça é intrinsecamente boa [2], Para tanto, Sócrates propõe-se apreciar os fatos em grande escala [3], o que lhe facilitará a tarefa. Por conseguinte, transfere a sua análise do indivíduo   para a cidade.

Descrevem-se então as transformações de uma cidade, que, de primitiva, se torna em luxuosa, motivo por que começa a precisar de uma especialização de tarefas cada vez maior. Essa cidade carece de soldados que a defendam e preservem - de guardiões com um treino próprio. A educação   deve dar-se-lhes, pela música   e pela ginástica, à maneira tradicional grega [4], principia a ser estudada em 376c, Mas música, para os Helenos  , é a arte das Musas  , em que a poesia não se dissocia dos sons. Ora as fábulas dos poetas, que costumam ensinar-se às crianças, estão repletas de falsidades sobre os deuses, a quem atribuem todos os defeitos, em vez de revelarem a divindade   na perfeição dos seus atributos. No começo do livro já se haviam feito citações de versos que sugeriam que os deuses não eram garantia de justiça; agora declara-se abertamente que os poetas não servem para instruir a juventude  . (PLATÃO. A República  . Tr. Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2017)

  • REP II 357a-358a — Continua o debate   sobre a justiça
  • REP II 358a-367e — A injustiça
  • REP II 367e-383c — Definição da essência   da justiça

[1II. 358b.

[2II. 366b-367e, especialmente 367b.

[3II. 368d:... «Entendo que devemos conduzir a investigação da mesma forma que o faríamos, se alguém mandasse ler de longe letras pequenas a pessoas de vista fraca, e então algumas delas dessem conta de que existiam as mesmas letras em qualquer outra parte, em tamanho maior e numa escala mais ampla. Parecer-lhes-ia, penso eu, um autêntico achado que, depois de lerem primeiro estas, pudessem então ver as menores, a ver se eram a mesma coisa».

[4Durante a época arcaica, havia apenas dois mestres; o paidotribes, que exercitava na ginástica, e o kitharistes, que ensinava música. Nos princípios do séc. v a.C., juntou-se-lhes o grammatistes ou mestre das primeiras letras.