Página inicial > Oriente > Renz (SI) – culpa

Renz (SI) – culpa

segunda-feira 4 de abril de 2022

    

tradução

Alguns têm o truque de considerar o sucesso como pessoal e o desastre   como impessoal. [Risos] Na verdade, eu levo tudo para o lado pessoal – Eu Sou   Isso e o que quer que aconteça, é o que eu sou e eu fiz tudo. Sou absolutamente culpado por todas as besteiras que acontecem – e não me importo, porque sou absolutamente culpado pelo que é e pelo que não é. Porque isso é o que eu sou.

Isto é mais do que fácil porque se você é culpado por pequenas coisas, você realmente tem uma má conscientidade   [consciousness] ou uma boa conscientidade, mas se você é a própria conscientidade que tudo faz, o fazedor ou não-fazedor absoluto, nada é feito em fazendo. Porque se você é absolutamente culpado por tudo o que é e não é – quem se importa? Se você é culpado pela menor e maior besteira neste universo   desgraçado, quem se importa? Se você é culpado por uma parte disto, então você se importa. E então você se compara com os outros – qual é a sua culpa  ? E qual é a minha culpa?

Não! Isso é tudo o-que-se-é. E você é culpado por todas as besteiras e todos os drogados e todos os não drogados e todos os viciados e não viciados e você é culpado por todos os assassinatos e estupros – o que quer que seja. O que fazer? E nada acontece.

Q [Outro visitante]: Mas aí você não tem mais esse sentimento   de culpa...

K: Culpa absoluta! Eu sou absolutamente culpado!

Q: Mas não é uma culpa dolorosa para você...

K: Não? Eu pago tudo. Eu me pago. É muito doloroso. [Risada]

Q: Parece que você gosta de sua culpa...

K: Eu não tenho que gostar da culpa. Simplesmente não há escapatória. Há paz   porque não há escapatória para a culpa. Quando você pode limpar sua culpa, então você está em dor  .

Original

Some have the trick to take the success personal and disaster as impersonal. [Laughter] Actually, I take everything absolute personal – I Am That and whatever happens, is what-I-Am and I’ve done everything. I’m absolutely guilty for all the bullshit that happens – And I don’t care, because I’m absolutely guilty for what-is and what-is-not. Because this is what I Am.

This is more than easy because if you’re guilty for little things, you really have a bad conscience or a good conscience, but if you’re the consciousness itself that has done everything, the absolute doership or non-doership, nothing is done by doing. Because if you’re absolutely guilty for whatever is and is-not – who cares? If you’re guilty for the smallest and the biggest bullshit in this bloody universe, who cares? If you’re guilty for a part of it then you care. And then you compare with others – what is your guilt? And what is my guilt?

No! This is all what you are. And you’re guilty for all the bullshit and all the junkies and all the non-junkies and all the addicts and the non-addicts and you’re guilty for all that murdering and raping – whatever-is. What to do? And nothing happens.

Q [Another visitor]: But then you don’t have that sense of guilt anymore...

K: Absolute guilt! I’m absolutely guilty!

Q: But it’s not a painful guilt for you...

K: No? I pay everything. I pay myself. It’s very painful. [Laughter]

Q: It seems that you enjoy your guilt...

K: I don’t have to enjoy the guilt. There’s just no way out. There’s peace because there’s no way out of guilt. When you can clean up your guilt, then you are in pain. [THE SONG OF IRRELEVANCE]


Ver online : KARL RENZ