Página inicial > Modernidade > Schmitt (CP) – o conceito de humanidade

Schmitt (CP) – o conceito de humanidade

sábado 2 de abril de 2022

A humanidade como tal não pode fazer a guerra porque não tem inimigo, pelo menos não neste planeta. O conceito de humanidade exclui o conceito de inimigo, porque o inimigo também não deixa de ser humano, e não contém nenhuma distinção específica. Que as guerras sejam travadas em nome da humanidade não é uma refutação desta simples verdade, mas tem apenas um significado político particularmente intenso. Quando um Estado combate seu inimigo político em nome da humanidade, não é uma guerra pela humanidade, mas uma guerra pela qual um determinado Estado procura monopolizar um conceito universal em relação ao seu oponente na guerra, a fim de identificar-se com este conceito à custa do adversário, assim como se pode abusar dos conceitos de paz, justiça, progresso e civilização para reivindicá-los para si e negá-los ao inimigo. A “humanidade” é um instrumento ideológico particularmente útil da expansão imperialista e, em sua forma ético-humanitária, um veículo específico do imperialismo econômico. Aqui, com uma modificação óbvia, aplica-se um ditado cunhado por Proudhon: “Quem invoca a ‘humanidade’ deseja trapacear”. A invocação do termo “humanidade”, a apropriação dessa palavra, só poderia manifestar a terrível afirmação de que ao inimigo deve ser negada a qualidade de humanidade, de que ele deve ser declarado hors-la-loi e hors l’humanité, porque não se pode, afinal, usar nomes tão elevados sem certas consequências. Dessa forma, a guerra pode ser levada à maior desumanidade. Mas, além dessa exploração altamente política do nome apolítico da humanidade, não há guerras da humanidade como tal. A humanidade não é um conceito político, nem qualquer entidade política ou comunidade ou status lhe corresponde. O conceito humanitário de humanidade do século XVIII foi uma negação polêmica da ordem aristocrática-feudal ou corporativa da época e seus privilégios. A humanidade do direito natural e das doutrinas liberal-individualistas é uma construção, um ideal social universal, ou seja, que abrange todos os povos da terra, um sistema de relações entre os indivíduos que só existe realmente quando a possibilidade real de conflito foi excluída e todo agrupamento amigo-inimigo tornou-se impossível. Nessa sociedade universal não haverá mais povos como entidades políticas, mas também não haverá classes concorrentes, nem grupos hostis. [SCHMITT, Carl. The Concept of the Political. Translated by C. J. Miller. Antelope Hill Publishing, 2020 (ebook)]