Página inicial > Antiguidade > A BELEZA

A BELEZA

sexta-feira 25 de março de 2022

    

No diálogo   HÍPIAS O MAIOR, Platão formulou muitas das questões que depois se levantaram, em estética e filosofia geral, acerca da natureza do belo e da beleza. Ao contrário de Hípias, para o qual o belo é, em suma, o nome comum dado a todas as coisas belas (o ouro  , o útil  , o grato, etc), Platão defende que o belo é aquilo que faz que haja coisas belas. O belo é, pois, para Platão, independente, em princípio, da aparência do belo: é uma ideia análoga às ideias de ser, de verdade e de bondade. Ao dizer «análoga», quer-se destacar que não pode simplesmente confundir-se a verdade com a beleza. Platão adverte que dizer de algo que existe e que é verdadeiro equivale a afirmar, no fundo, a mesma coisa. Em contrapartida, não é exatamente a mesma coisa dizer de algo que existe e que é belo. Por isso a ideia de beleza possui, a partir de Platão, certas propriedades que outros transcendentais não possuem; como indica Platão no FEDRO  , enquanto na terra   não há imagens visíveis da Sabedoria   há, em contrapartida, imagens visíveis da beleza. Quer dizer que a participação   das coisas terrestres no ser verdadeiro está duplamente afastada deste, enquanto a participação das mesmas coisas no belo em si é direta. A verdade não reluz nas coisas terrestres, enquanto a beleza brilha nelas. Isto não significa que a contemplação   da Beleza seja uma operação sensível. No FILEBO  , Platão chega à conclusão de que aquilo que chamamos beleza sensível deve consistir em pura forma; linhas, pontos, medida, simetria e até «cores puras» são os elementos   com que é feito o belo que contemplamos. Acrescenta-se a isso, conforme aponta nas LEIS, a harmonia   e o ritmo no que diz respeito à música  , e às boas ações, no que diz respeito à vida social. Além disso, embora haja sempre a mencionada diferença   entre o ser   verdadeiro e o ser belo, não se pode negar que o segundo conduz ao primeiro: a célebre «escada da beleza» de que fala Platão no BANQUETE  , é a expressão   metafórica (ou mítica) desta concepção do belo que o converte «no acesso ao ser». Depois de Platão foi tão considerável o número   de definições que se deram do belo que se torna necessário proceder a uma classificação das mesmas; escolheu-se, entre muitos outros, o método que classifica as opiniões sobre o belo segundo o predomínio de uma disciplina filosófica ou, melhor dizendo, de uma determinada linguagem. Consideramos que há vários modos   de falar do belo, os quais não são independentes uns dos outros, pois costumam combinar-se, mas as definições mais habituais são determinadas em grande parte pelo predomínio de um deles: I. O PONTO DE VISTA SEMÂNTICO: consiste em averiguar quais as expressões sinônimas de «x é belo». Das inúmeras sinonímias que se podem estabelecer («x é desejável», «x é desejado», «x é perfeito», etc), cabe destacar «x é grato», pois envolve a discussão entre as duas grandes posições: a que defende que os juízos de beleza são subjetivos e a que afirma que são objetivos. II. O PONTO DE VISTA PSICOLÓGICO: consiste em examinar o problema da natureza do belo de acordo com a análise dos processos psicológicos por meio dos quais formulamos juízos estéticos. Quando se entende o psicológico em sentido colectivo, o modo de falar psicológico pode converter-se em modo de falar social: a natureza do belo depende então do que se entenda por essa sociedade. III. O PONTO DE VISTA METAFÍSICO: ao expor a posição   de Platão, apresentamos as teses centrais do principal representante deste «modo de falar». O que lhe é peculiar é que tenta reduzir todas as questões relativas ao belo a questões acerca da natureza última da beleza em si. I.. O PONTO DE VISTA ÉTICO: este modo é pouco frequente nas teorias filosóficas, mas não é totalmente inexistente. Aparece a partir do momento em que se supõe que algo se pode qualificar de belo só enquanto oferece analogias com uma ação moral. V. O PONTO DE VISTA AXIOLÓGICO: muito amiúde, o pensamento   contemporâneo apelou para o falar axiológico. Este funda-se nas teorias dos valores a que nos referimos no artigo valor  . Segundo o mesmo, a beleza não é uma propriedade das coisas ou uma realidade em si mesma, mas um valor. não é uma entidade real, ideal ou metafísica  , porque essas entidades são, enquanto o belo não é, mas vale. Ora, dentro do modo de falar axiológico, há diversas teorias possíveis; as mais conhecidas são as teorias subjetivistas e objetivistas. Quando se leva a primeira a um extremo, desemboca-se num puro relativismo  , quando se faz o mesmo com a segunda, chega-se a um completo absolutismo. Por isso se viu a necessidade   de procurar posições intermédias. [DFW]