Página inicial > Antiguidade > UNO

UNO

sexta-feira 25 de março de 2022

Excertos de "Plotino  , um estudo das Enéadas  ", de R. A. Ullmann  

O Uno - princípio ontológico ou primeira hipóstase

Do Uno, que não é abstração, mas realidade viva, isto é, Deus ou Absoluto, procedem, derivam, provêm todos os entes. E a primeira hipóstase ou Princípio supremo. Os entes, pois, existem, por participarem do Uno, que é simples, conforme o expressa Plotino  : "Com efeito, se não fora simples, sem acidentalidade e composição e realmente Uno, não seria princípio; mas, por ser simples, ele é de todo independente (autarkéstaton) e anterior a tudo (prôton pántôn). Há uma relação de dependência unilateral, isto é, as coisas dependem do Uno e não este daquelas.

Para Plotino  , como para todos os filósofos gregos, era uma questão crucial a origem do sensível a partir de um princípio imaterial.

"A natureza do Uno é geradora de todas as coisas, razão por que não é nenhuma delas". Sendo o Uno nenhuma das coisas, ele é transcendente a toda determinação, sem essência. Isso quer dizer que não se assemelha a nenhuma essência dos entes; ele é a essência par excellence.

Como pode, então, o intelecto humano conhecer essa realidade tão remota? Entre outros argumentos, Plotino   recorre a um postulado, a um a priori.

Não admira, portanto, que o conhecimento que temos do Uno seja apofático (vide nosso apophasia), negativo: "Nós logramos dizer o que ele não é, o que ele é não podemos dizê-lo; a partir do que é depois dele é que nos exprimimos relativamente a ele". Logo, além de falarmos do Uno negativamente, falamos dele também regressivamente, indo dos efeitos para a causa, a qual não pode ser circunscrita, por não ter limites, por ser infinita.

Ao mesmo passo, o Uno é Superinteligência, Super-Ser e causa sui, isto é, o Uno é o que quer ser, porque é perfeito. Se ele (Uno) pudesse ser diverso do que é, "ele não seria capaz de permanecer na sua perfeição". É igualmente dotado de vontade. À essência do Uno pertence a vontade. Nada teria sido criado por ele, se antes não existira a vontade de criar.

Elevando-se acima de todo o ser (epékeina tês ousías), o Uno não se isola dos seres como tais. "Ele não é nenhum dos entes, e contudo ele é todos ao mesmo tempo; não é nenhum deles, porque são posteriores a ele; é todos, porque são derivados dele. Ele tem o poder de produzir todos (...) (Eneada-VI). Em outras palavras, ele é dynamis tôn pántôn (Enéada III, 8  , 10). Essa produção ou emanatio não se diferencia, essencialmente, da noção cristã de creare ex nihilo, conquanto haja diferenças nalguns pontos: processão sucessiva e mediadora do Noûs e da Alma do mundo para o surgimento dos seres e eternidade do mundo. Porém, a excelsitude do Uno fica resguardada: "O Bem é a causa de todas as coisas, sem se misturar com elas; ele está acima de todas as coisas". Não era desconhecida de Plotino   a doutrina criacionista, devido ao seu convívio com Amônio   Saccas. Esse fato, sem dúvida, terá influído na complexa síntese do seu pensamento, elaborado, em grande parte, na cidade de Roma, onde teve diuturno contato com o cristianismo. Ao menos pela rama o licopolitano conhecia a doutrina cristã.

Se o Uno ficasse recolhido num solipsismo total, nada existiria. Sua dynamis deu origem a tudo. Dynamis não tem o sentido de receptividade da potência aristotélica, mas significa capacidade de produzir, de criar, sem sofrer diminuição nem evoluir para maior perfeição.

Dessarte, o Uno, realidade subsistente em si mesma, constitui a primeira hipóstase e é fonte de toda a determinação, ou seja, ele contém tudo eminenter ou potentialiter, e não actualiter.