Página inicial > Arte e Simbolismo > Educação de Hércules

Educação de Hércules

domingo 20 de março de 2022

      

A EDUCAÇÃO DO HERÓI
Excertos de Mario Meunier, «A LEGENDA DOURADA»

Quando atingiu a idade apropriada, sua mãe deu-lhe uma educação   notável. Lino, filho   do belo Apolo, ensinou-lhe a ciência das Letras. Bumolpo instruiu-o a bem educar   a voz e a cantar dedilhando as cordas sonoras de uma lira harmoniosa. Eurito, enfim, ensinou-lhe a arte de distender habilmente um arco e dirigir para o alvo uma flecha certeira. Foi durante essa formação magnífica que o potente Hércules, de índole violenta e generosa, tornou-se culpado, pela primeira vez, de um assassínio involuntário  . Conta-se que um dia seu professor de Letras, Lino, para experimentar a sabedoria   de seu jovem discípulo, pediu-lhe escolhesse, em um monte de volumes, seu livro preferido. Hércules, que havia nascido guloso, grande comedor, de vasto apetite, e que, mais tarde, deveria engolir, sozinho e sem dificuldade  , um boi inteiro, escolheu um tratado intitulado O Perfeito Cozinheiro. Irritado com tal escolha  , Lino, então, explodiu em veementes reprimendas contra o gosto   desenfreado pelo alimento   que atormentava seu aluno, chegando a ameaçá-lo. Julgando-se em estado   de legítima defesa, e subitamente presa de violenta cólera  , Hércules pegou o primeiro objeto que caiu sob suas mãos, uma citara, e matou o mestre, quebrando o instrumento em sua cabeça. Para puni-lo desse crime, Anfitrião mandou que Hércules fosse viver   no meio dos pastores que guardavam, nas altas montanhas, seus ricos e grandes rebanhos. Ali, os exercícios da caça desenvolveram-lhe o corpo adolescente e insuflaram em seus membros flexíveis uma força prodigiosa. Aos dezoito anos, matou um leão que devastava a região. Ao voltar de sua gloriosa caçada, Hércules encontrou arautos que, vindo de Orcômeno, iam reclamar dos Tebanos, por um antigo delito, o tributo de cem bois. Sem hesitar, o filho de Alcmena atacou-os. Cortou-lhes o nariz e as orelhas, amarrou-lhes as mãos às costas e os enviou para seu país, dizendo ser esse o pagamento do tributo. Diante da notícia, o rei de Orcômeno, Ergino, levantou um exército e marchou contra Tebas. Mas Hércules, revestido de uma armadura que recebera de Atena, pôs-se à frente de um grupo ardente de guerreiros. Mudando o curso de um rio, ele afogou, numa planície, a cavalaria inimiga, perseguiu Ergino, abatendo-o a flechadas. Para recompensar o construtor desta grande vitória, o rei de Tebas concedeu ao Herói   a mão   de Mégara, sua própria filha.


Excertos de R. Emmanuel, Pleins feux sur la Grèce antique

Tal Herói devia receber   uma educação perfeita como a recebida dos mestres os mais reputados da Grécia. Rhadamanthe o instruiu em sabedoria e lhe ensinou a atirar com arco e flecha; Castor a combater armado; Quirón lhe ensinou a astronomia  , a virtude   e a medicina  , e Linus  , o neto de Apolo, lhe ensinou a música  . Durante uma altercação   com seu mestre Linus, Hércules lhe jogou na cabeça seu instrumento e lhe matou de imediato. Em seguida desse assassinato, a irascível criança   foi enviada, como todos os Heróis solares, para as montanhas entre os pastores onde passou sua juventude  . O ar dos cumes desenvolveu seu corpo e seu vigor tornou-se extraordinário.

Segundo Xenofonte, Hércules se retirou para um lugar deserto   a fim de meditar sobre o gênero   de vida que lhe conviria para viver. Então lhe apareceram duas mulheres de alta estatura das quais uma era muito bela, de rosto fino, regular, majestoso   e digno, se chamava: Virtude. Estava vestida com um vestido branco, modéstia e pudor   emanavam de seus gestos e de seus olhos. A outra, mais carnuda, rosto corado, olhares desavergonhados, vestida com magníficos hábitos, se chamava Volúpia e Languidez (v. KAKIA  ); em uma palavra  , sua vestimenta   revelava o que ela era na vida. Cada uma das duas mulheres procurava ganhar sua amizade   com promessas bem diferentes; Hércules escolheu a Virtude.

Em suma, acabava de escolher o campo   de Afrodite e de Atenas e de recusar aquele de Cupido e da Languidez.

Aqui termina o prelúdio divino   da vida de Hércules; agora vamos ver a obra, o modelo do homem  , o protótipo dos Heróis.