Página inicial > Antiguidade > POL 257a-258b: Prólogo

POL 257a-258b: Prólogo

sexta-feira 25 de março de 2022

SÓCRATES

— Quanto te agradeço, Teodoro, por me haveres apresentado Teeteto   e o Estrangeiro [1] !

TEODORO

— Pois em breve, Sócrates, hás de dever-me uma gratidão três vezes maior, ao completarem eles o retrato do político, e a seguir o do filósofo.

SÓCRATES

— Que assim seja! Mas, meu caro Teodoro, poderíamos dizer também que o que ouvimos nos foi contado pelo mais notável mestre de cálculo e de geometria?

TEODORO

— O quê, Sócrates?

SÓCRATES

— Que tu dás a cada um desses homens o mesmo valor [2], quando, entretanto, a diferença que os separa não poderia expressar-se por qualquer proporção da vossa arte [3].

TEODORO

— Ó Sócrates, por nosso Deus Amon! Eis aí uma crítica boa e justa com que revelas, de memória, o meu erro de cálculo. Um dia ainda me vingarei por isso. Agora, entretanto, quero pedir ao Estrangeiro que, espero, não faltará com a sua boa vontade para conosco, nem nos abandonará, para falar-nos do político ou do filósofo, escolhendo o de que prefere falar-nos primeiramente.

ESTRANGEIRO

— É o que faremos, Teodoro, pois já que iniciamos esta discussão é preciso não abandonar a nossa obra. Mas o que farei com Teeteto  ?

TEODORO

— Que queres dizer?

ESTRANGEIRO

— Não seria melhor que o deixássemos descansar, tomando em seu lugar o seu companheiro, este outro Sócrates [4] que aqui está? Que te parece?

TEODORO

— Sim, toma ao outro em seu lugar, como propuseste. Ambos são jovens e suportarão melhor esta prova, até o fim, se tiverem algum descanso.

SÓCRATES

— Aliás, meu caro Estrangeiro, estes jovens poderão ser meus parentes longínquos. Dizes que um deles se parece comigo, pelos traços fisionômicos [5]; o outro, tendo nome semelhante ao meu, terá comigo certo parentesco. E nós devemos sempre procurar reconhecer nossos parentes pela maneira por que conversam. Com Teeteto   conversei ontem e ouvi, ainda há pouco, o que te respondeu; mas do jovem Sócrates, nada ouvi. É mister, porém, que o conheçamos. Interroga-o tu primeiro e mais tarde responderá a mim.

ESTRANGEIRO

— Muito bem. Ouviste, jovem Sócrates, o que disse Sócrates?

SÓCRATES, O JOVEM

— Sim.

ESTRANGEIRO

— Concordas com o que ele propõe?

SÓCRATES, O JOVEM

— Com todo o gosto.

ESTRANGEIRO

— Assim se tu não te recusas, muito menos posso eu recusar-me. Depois do sofista  , penso que devemos agora estudar o político  . Dize-me, pois: devemos ou não colocar o político   entre os sábios?

SÓCRATES, O JOVEM

— Sim.


[1O início deste diálogo liga-se às últimas páginas do Sofista. Sócrates refere-se, neste passo, à discussão deste último diálogo. (N. do T.)

[2Referência aos perigos da analogia. Cf. Sof. 231a. (N. do T.)

[3Sócrates refere-se à matemática. (N. do T.)

[4As personagens do Político são, é bom notar desde logo, Sócrates, Teodoro, o Estrangeiro de Eleia; Teeteto e mais Sócrates, o jovem. (N. do T.)

[5Também no diálogo Teeteto assinala-se a semelhança fisionômica entre Sócrates e Teeteto. (N.doT.)