Página inicial > Antiguidade > Apologia 24c-26a: Contra-interrogatório de Meleto

Apologia 24c-26a: Contra-interrogatório de Meleto

sexta-feira 25 de março de 2022

    
  •  Agora, dize-me, Meleto: não é verdade que te importa bastante que os jovens se tornem cada vez melhores, tanto quanto possível?
  •  Sim, é certo.
  •  Vamos, pois, dize-lhes quem os torna melhores; é claro que tu o deves saber, sendo coisa que te preocupa, tendo de fato encontrado quem os corrompe, como afirmas, uma vez que me trouxeste aqui e me acusa. Continua, fala e indica-lhes quem os torna melhores. Vê, Meleto, calas e não sabes o que dizer. E, ao contrário não te parece vergonhoso e suficiente prova do que justamente eu digo, que nunca pensaste em nada disso? Mas, dizes, homem  , de bem, quem os torna melhores?
  •  As leis.
  •  Mas não pergunto isso, ótimo homem, mas qual o homem que sabe, em primeiro lugar, isso exatamente, as leis.
  •  Aqueles, Sócrates, os juízes.
  •  Como, Meleto, esses são capazes de educar   os jovens e os tornar melhores?
  •  Como não?
  •  Todos, ou alguns apenas, outros não?
  •  Todos.
  •  Muito bem respondido, por Hera  : Vê quanta abundância   de pessoas úteis! Como? Também estes, que nos escutam, tornam melhores os jovens ou não?
  •  Também estes.
  •  E os senadores?
  •  Também os senadores.
  •  É assim, Meleto. Não corrompem os jovens os cidadãos da Assembleia  , ou também todos esses os tornam melhores?
  •  Também esses.
  •  Assim, pois, todos os homens, como parece, tornam melhores os jovens, exceto eu. Só eu corrompo os jovens. Não é isso?
  •  Isso exatamente afirmo de modo conciso.
  •  Oh! Que grande desgraça   descobriste em mim  ! E responde-me: será assim também para os cavalos? que aqueles que os tonam melhores são todos homens e que só um os corrompe? ou será o contrário, que um só é capaz de os tornar melhores, e bem poucos aqueles que entendem de cavalos; e os mais, quando querem manejá-los e usá-los, os estragam? Não é assim, Meleto, para os cavalos como para todos os animais  ? Sim, certamente, ainda que tu e Anito o neguem ou afirmem. Pois seria uma grande fortuna   para os jovens que um só corrompesse e os outros lhe fossem todos úteis. Mas, na realidade, Meleto, mostraste o suficiente que jamais te preocupaste com os jovens, e claramente revelaste o teu desmazelo, que nenhum pensamento   te passou pela mente  , disto que me acusas.
  •  E, agora, dize-me, por Zeus  , Meleto: que é melhor, viver   entre virtuosos cidadãos ou entre malvados? Responde, meu caro, não te pergunto uma coisa difícil. Não fazem os malvados alguma maldade aos que são seus vizinhos, e alguns benefícios os bons?
  •  Certamente.
  •  E haverá quem prefira receber   malefícios a ser auxiliado opor aqueles que estão com ele? Responde, porque também a lei manda responder. Há os que gostam de ser prejudicados.
  •  Não, por certo.
  •  Vamos, pois, tu me acusas como pessoa que corrompe os jovens e os torna piores, voluntariamente ou involuntariamente?
  •  Para mim, voluntariamente.
  •  Como, Meleto? Tu, nesta idade, és mais sábio   do que eu, tão velho, sabendo que os maus fazem sempre mal aos mais próximos e os bons fazem bem: eu, pois, cheguei a tal grau de ignorância que não sei nem isso, que se tornasse maus alguns daqueles que estavam comigo, correria o risco de receber dano, se é que faço um tão grande mau, como dizes. Não te creio, Meleto, quanto a isso, e ninguém te acredita, penso.

    Mas, ou não os corrompo, ou, se os corrompo, é involuntariamente, e em ambos os casos mentiste. E, se os corrompo involuntariamente, não há leis que mandem trazer aqui alguém, por tais fatos involuntários, mas há as que mandam conduzi-lo em particular, instruindo-o, advertindo-o; é claro que se me convencer, cessarei de fazer o que estava fazendo sem querer. Tu, ao contrário, evitaste encontrar-me e instruir-me, não o quiseste; e me conduzes aqui, onde a lei ordena citar aqueles que tem necessidade   de pena   e não de instrução  .