Página inicial > Antiguidade > Sof 244b-245e: Doutrinas monistas do Ser

Sof 244b-245e: Doutrinas monistas do Ser

sexta-feira 25 de março de 2022

    

Estrangeiro – E então? Não precisaremos informar  -nos junto dos que afirmam que o todo   é um, qual é a propriedade que eles atribuem ao ser?

Teeteto   – Como não?

Estrangeiro – Então, que me respondam a isto: Dizeis que só existe o Uno  ? É o que afirmamos, responderiam. Não é isso mesmo?

Teeteto – Sim.

Estrangeiro – E agora: Dais o nome de Ser a alguma coisa?

Teeteto – Sem dúvida.

Estrangeiro – Que será o mesmo que Um, recorrendo, assim, a duas denominações para a mesma coisa, ou como diremos?

Teeteto – Qual poderá ser, Estrangeiro, a resposta   deles a semelhante pergunta?

Estrangeiro – Evidentemente, Teeteto, para quem parte de tal hipótese, não é fácil responder nem a essa pergunta nem a qualquer outra.

Teeteto – Como assim?

Estrangeiro – Reconhecer   que há dois   nomes, depois de admitir que só o Uno existe, é qualquer coisa ridículo.

Teeteto – Como não?

Estrangeiro – Como também seria ilógico concordar com quem afirmasse que o nome tem existência à parte.

Teeteto – Por quê?

Estrangeiro – Aplicar primeiro algum nome a determinado objeto como algo diferente é enunciar duas coisas.

Teeteto – Certo.

Estrangeiro – E no caso de identificar o nome com a coisa, seria o mesmo que declarar que é nome de nada ou, então, se preferir dizer que é nome de alguma coisa, seguir-se-á que o nome é simplesmente nome de nome, nada mais.

Teeteto – Isso mesmo.

Estrangeiro – E também que o Uno, como unidade   do um, não será senão a unidade do nome.

Teeteto – Forçosamente.

Estrangeiro- E isto, agora: Dirão que o todo é diferente do um que é, ou que lhe é idêntico?

Teeteto – Dirão, como sempre disseram, que idêntico.

Estrangeiro – Se o Ser   for um todo, como Parmênides também afirma:

Tal como a esfera   perfeita, redonda por todas as partes Equidistantes do centro; pois ter uma certa porção Num lado ou noutro maior ou menor é de todo impossível, o ser, como tal, possuirá meio e extremidades, e tendo tudo isso, forçosamente será dotado de partes. Ou não?

Teeteto – Isso mesmo.

Estrangeiro – Contudo, nada impede que uma coisa assim dividida constitua uma unidade, como conjunto   e como todo.

Teeteto – Por que não?

Estrangeiro – Porém; em tais condições, não é impossível que essa coisa seja o próprio Uno?

Teeteto – De que jeito?

Estrangeiro – O verdadeiro Uno, na sua mais rigorosa acepção, terá de ser absolutamente indivisível  .

Teeteto – Sem dúvida.

Estrangeiro – O que for constituído de muitas partes, não corresponderá a essa definição.

Teeteto – Compreendo.

Estrangeiro – Como, então, diremos: que o ser a quem de todo quadra esse caráter é todo e uno, ou não afirmaremos em absoluto que o ser seja um todo?

Teeteto – Difícil escolha   me propões.

Estrangeiro – A observação   é pertinente. Pois o ser a que se ajunta essa espécie de unidade, não ficará idêntico ao um, passando o conjunto a ser maior do que um.

Teeteto – Certo.

Estrangeiro – Por outro lado, se o ser não é tudo, por haver recebido o atributo da unidade, no caso de existir o todo, segue-se que o Uno faltará a si mesmo  .

Teeteto – Perfeitamente.

Estrangeiro – E no rastro desse argumento  , se vier a ficar privado de si mesmo, deixará de ser uno.

Teeteto – Certo.

Estrangeiro – Porém se o todo absolutamente não existe, o mesmo passa com o ser, que não somente não é como nunca poderá ser.

Teeteto – Por quê?

Estrangeiro – Tudo o que adquire existência, só o faz como um todo, de forma que não se pode aceitar   como reais nem a existência nem a geração, se não incluirmos o Uno ou o todo entre os seres.

Teeteto – De todo o jeito, parece que é assim mesmo.

Estrangeiro – E também: como poderá ter quantidade o que não for um todo? O que tem certa quantidade, qualquer que ela seja, será necessariamente o todo dessa quantidade.

Teeteto – Sem dúvida.

Estrangeiro – E como essa, se apresentarão mil outras dificuldades, a qual mais inextricável, para quem afirma que o ser é somente um ou somente dois.

Teeteto – É o que provam à saciedade as que já se apresentaram; cada uma se prende à anterior  , suscitando dúvidas sempre mais sérias e alarmantes acerca das questões já debatidas.