Página inicial > Antiguidade > Sof 238a-239a: Impossibilidade de conceber o Não-ser

Sof 238a-239a: Impossibilidade de conceber o Não-ser

sexta-feira 25 de março de 2022

Estrangeiro – É cedo para cantar vitoria, meu bem-aventurado amigo, porque ainda falta considerar a maior e a primeira das dificuldades, que diz respeito ao próprio começo da questão.

Teeteto   – Que queres dizer com isso? Fala sem omitir nada.

Estrangeiro – A qualquer ser pode-se acrescentar outro ser.

Teeteto   – Como não?

Estrangeiro – E poderemos também conceder que é possível acrescentar algum ser ao não-ser?

Teeteto   – Como o poderíamos?

Estrangeiro – Classificaremos entre os seres os números em geral? :

Teeteto   – Sem dúvida, se a alguma coisa couber semelhante classificação.

Estrangeiro – Sendo assim, nem valerá a pena tentar atribuir pluralidade ou unidade ao não-ser. Teeteto   – Se o tentássemos, como parece, não procederíamos com acerto, conforme o prova nosso argumento.

Estrangeiro – De que jeito, pois, exprimir com a boca ou conceber de algum modo em pensamento os não-seres ou o não-ser, sem recorrer a números?

Teeteto   – Diz, de que jeito?

Estrangeiro – Quando falamos em não-seres, não lhes atribuímos número plural?

Teeteto   – Sem dúvida.

Estrangeiro – E quando em não-ser, não lhe em- prestamos unidade?

Teeteto   – E mais do que claro.

Estrangeiro – No entanto, afirmamos não ser correto nem justo procurar acomodar o ser ao não-ser.

Teeteto   – Só dizes a verdade.

Estrangeiro – Estás vendo, pois, que é absolutamente impossível enunciar ou dizer alguma coisa, ou sequer pensar seja o que for a respeito do não-ser em si mesmo, por ser ele inconcebível, indizível, impronunciável e indefinível.

Teeteto   – Perfeitamente.

Estrangeiro – Se for assim, há pouco não falei verdade quando disse que iria tratar da maior dificuldade de nosso tema.

Teeteto   – Como! Haverá outra maior?

Estrangeiro – Como não, amigo? Depois de tudo o que ficou exposto, não percebeste em que dificuldade enleia o não-ser a quem se propõe refutá-lo, levando-o a contradizer-se logo às primeiras expressões?

Teeteto   – Que queres dizer com isso? Sê mais claro.

Estrangeiro – Não é de mim que se deve exigir maior clareza. Ao afirmar que o não-ser não poderá participar nem do uno nem do múltiplo, então e agora referi-me a ele como unidade. Disse: o não-ser. Apanhas a questão?

Teeteto   Perfeitamente.

Estrangeiro – No entanto, neste momento declarei que ele era impronunciável, indivizível e indefinível. Acompanhas-me?

Teeteto   – Acompanho, como não?

Estrangeiro – E ao tentar atingir-lhe o ser, não contradizia o que afirmara antes?

Teeteto   – Parece.

Estrangeiro – E então? Ao fazer essa junção, não me expressava como se o ligasse a alguma coisa?

Teeteto   – Certo.

Estrangeiro – E chamando-o de indefinível, indizível e impronunciável, não falava como se ele fosse um?

Teeteto   – Como não?

Estrangeiro – No entanto, também afirmamos que quem quiser expressar-se com acerto, não deverá enunciá-lo nem como uno nem como múltiplo, nem referir-se a ele de maneira nenhuma, pois qualquer indicação a seu respeito implica a ideia de unidade.

Teeteto   – É absolutamente certo.