Página inicial > Antiguidade > Sof 224e-226a: O Sofista lucra com a disputa

Sof 224e-226a: O Sofista lucra com a disputa

sexta-feira 25 de março de 2022

    

Estrangeiro – Vejamos agora se o gênero   por nós procurado não tem alguma semelhança   com tudo isso.

Teeteto   – Semelhança, de que jeito?

Estrangeiro – Já vimos que a disposição   para a luta   constitui uma das condições da arte aquisitiva.

Teeteto – Sem dúvida.

Estrangeiro – Então, não será fora de propósito dividi-la em duas partes.

Teeteto – Declaremos logo quais sejam.

Estrangeiro – Uma é competição; a outra, pugna.

Teeteto – Exato.

Estrangeiro – A parte da luta que se exerce corpo a corpo, pode ser natural e convenientemente aplicado o qualificativo de violenta.

Teeteto – Isso mesmo.

Estrangeiro – E a que consiste no entrechoque de discursos, que nome lhe daremos, Teeteto, se não for o de controvérsia?

Teeteto – Não há outro.

Estrangeiro – Mas o gênero da controvérsia terá, por sua vez, de ser subdividido.

Teeteto – De que maneira?

Estrangeiro – Quando o debate   consta de digressões a respeito do justo e do injusto, recebe o qualificativo de forense ou judicial.

Teeteto – Certo.

Estrangeiro – Porém quando é realizado entre particulares e cortado em pedacinhos, por meio de perguntas e respostas, não temos o costume   de dar-lhe o nome de contenda  ?

Teeteto – Não há outro.

Estrangeiro – E na contenda, a parte que consiste na mera discussão sobre contratos, sem método nem regras de arte, deve ser considerada espécie diferente, já que nossa argumentação a reconhece como tal, muito embora os antigos não lhe tenham aplicado nome, nem mereça, agora, que lhe reservemos designação especial.

Teeteto – É muito certo, pois está subdividida em pequeninas e variadas partes.

Estrangeiro – E a que é feita com arte, acerca do justo e do injusto, e de outros assuntos gerais, não temos por hábito denominar erística?

Teeteto – Como não?

Estrangeiro – Mas há uma erística que sabe ganhar dinheiro  , e outra que o dissipa.

Teeteto – Perfeitamente.

Estrangeiro – Tentemos, agora, encontrar a designação adequada para cada uma.

Teeteto – Sim, façamos isso mesmo.

Estrangeiro – Para mim  , a disputa   levada a cabo como simples jogo   verbal e com negligência dos. interesses próprios, em estilo nada agradável para a maioria dos ouvintes, na minha maneira de pensar   só merece o de verbosidade.

Teeteto – É realmente como a denominam.

Estrangeiro – Por outro lado, a que junta dinheiro com discussões particulares, procura tu mesmo, agora, o nome que lhe convém.

Teeteto – Que se poderia dizer sem perigo de errar, a não ser que, pela quarta vez, nos apareceu aquele tipo estupendo, em cujo encalce nos achamos: o sofista  ?

Estrangeiro – Isso mesmo. Conforme já vimos, é do gênero lucrativo, da arte erística, da arte de disputas, das controvérsias, da arte do combate, da arte da luta e do ganho, segundo neste momento provou nossa argumentação, que o sofista   provém.

Teeteto – Nada mais verdadeiro.