Página inicial > Antiguidade > epagoge

epagoge

sexta-feira 25 de março de 2022

    

epagôgé: levar a, passar a, indução   (socrática, aristotélica; para a «indução» platônica, ver synagoge  )

1. Aristóteles, num passo em que descreve a origem   da teoria   das Formas, faz notar que Sócrates foi o primeiro a empregar «argumentos indutivos» (epaktikoi logoi  ; Metafísica   1078b). Mas compreender os epaktikoi no sentido de uma «indução» (epagoge) aristotélica é provavelmente um engano  , visto que nem a método logia de Sócrates nem a terminologia de Platão apontam para um uso estritamente aristotélico. A desenvolvida epagoge aristotélica é definida, nos seus termos mais gerais, como «o passar dos particulares ao universal   (katholou) e do conhecido ao desconhecido  » (Top. vm, 156a).

2. Platão usa epagein num sentido semelhante a este (Pol. 278a), mas o seu uso mais vulgar   é no sentido de «citar» ou «aduzir» (ver Republica   364c, Leis 823a). Nos diálogos mais intimamente associados com o Sócrates histórico há frequente confiança   nos casos individuais, mas eles são citados quer para fins de refutação ou correção (ver Republica 331e-336a) quer para estabelecer analogias (ver Xenofonte  , Mem. III, 3, 9), em ambos os casos uma espécie de modelo de prova que faz parte do método socrático do elenchos   (ver aporia  , katharsis  ) e que por meio de hábil emprego podia eventualmente atingir a definição, ou, ainda, acabar simplesmente na aporia (ver Teeteto   210b-d).

3. O que Aristóteles importa de mais fundamental da epagoge é o seu papel de pedra   angular de todo o conhecimento científico (episteme). É através de uma indução das experiências individuais dos sentidos (aisthesis  ) que obtemos o conhecimento tanto do conceito universal (katholou) como da proposição universal (arche  ), e são estas últimas que servem de premissas não demonstráveis de toda a demonstração (Anal. post. II, 99b-100b; ver Metafísica 980a-981a). Esta epagoge não é um processo discursivo e, ao contrário da indução completa, não pode ser reduzida a um tipo de silogismo; é antes uma compreensão intuitiva do espírito   que Aristóteles designa de nous e que é tão digna de confiança como a própria demonstração.

4. O ponto essencial da epagoge aristotélica é que o universal está dentro dos limites materiais dos dados dos sentidos individuais (Physica I, 184a), e é por exposições repetidas a esta experiência dos sentidos que o espírito chega à compreensão da mais alta inteligibilidade do universal (Anal. post. I, 87b-88a). Mas em virtude da sua íntima relação com a sensação, a indução permanece mais convincente e mais popular no seu apelo (Top. I, 105a; comparar gnorimon).

5. Há, finalmente, outro tipo de indução que Aristóteles trata com certo desenvolvimento, a indução perfeita ou o exame   de todos os casos de uma proposição geral (Anal. pr. II, 68b). Mas aqui está a tratar da redução da indução à forma silogística, algo que pode alcançar somente por meio de uma indução perfeita. [F.E. Peters  , Termos filosóficos gregos]