Página inicial > Antiguidade > Epinomis

Epinomis

sexta-feira 25 de março de 2022

    

Considerado por estudiosos como um apêndice de Leis (encontram-se os mesmos interlocutores) não é confirmado ser de Platão  . Trata-se de uma obra escolar muito sistemática, segundo Luc Brisson  , destinada a mostrar que o programa de estudos dos membros do colegiado, a mais alta magistratura da cidade das Leis, descrita no livro XII, culmina no estudo da astronomia  , a qual se confunde com a teologia. Os corpos celestes com efeito são deuses, quer dizer viventes cujo corpo, feito de fogo   (como se deduz do Timeu   91c-92b), é destrutível de direito mas não de fato (Timeu 41a-b), e cuja alma   é dotada de uma movimento   regular e permanente, porque é dirigido pelo intelecto  , donde derivam igualmente as leis da cidade. Os membros do colegiado de vigília que garantem o salvaguarda da cidade devem portanto ter por último objeto de estudo esta ciência dos movimentos regulares e permanentes que instaura o intelecto nos corpos celestes. Nota-se no Epinomis   três diferenças importantes em relação à astronomia evocada no Timeu e no livro X das Leis. O fato de que a alma seja dirigida por um intelecto que garante a regularidade e permanência a seus movimentos conduz o autor do Epinomis a evocar o Destino e seu caráter irrevogável, um tema que não está relacionado de maneira tão direta com a marcha dos corpos celestes na República  , no Timeu ou nas Leis. Note-se também a introdução de um quinto elemento  , ausente do Timeu, o éter  . Enfim, não se pode estar surpreso pela seguinte argumentação: o corpo dos objetos celestes ;e muito maior do que aparece a olho nu; ou para pôr tais massas em movimento, é preciso um motor particularmente poderoso; e este motor não poder ser senão a alma de um deus  . Deduzir a divindade   dos astros, mesmo indiretamente, do tamanho do corpo que deve mover a alma, parece ser uma prática estranha a Platão. Trata-se de elementos que levantam a inautenticidade do Epinomis, que, promovendo uma teologia astral, teve um papel preponderante na história religiosa da época helênica. A obra, sem dúvida composta na Antiga Academia, constitui uma tentativa interessante para aportar uma conclusão ao livro XII das Leis. (Brisson, Platon, oeuvres complètes


Estrutura   dada por Léon Robin à versão francesa da obra completa de Platão: Platon : Oeuvres complètes, tome 2

  • Prólogo
  • Onde buscar a Sabedoria  ?
    • Visões pessimistas sobre a possibilidade desta busca.
    • Quais formas de saber não constituem a Sabedoria?
  • A verdadeira Sabedoria é constituída pelo conhecimento do Número  .
    • Imensa amplitude deste conhecimento
    • Como foi adquirido o conhecimento do Número
    • O que é adquirido e o que não é
  • A natureza da Sabedoria
    • Visão   geral
    • A doutrina  
      • Distinção de natureza entre a alma e as cinco   espécies de corpo
      • Duas classes antitéticas de viventes (zoogonia)
      • Teologia astral (teogonia  )
      • Retorno à classificação dos viventes
      • Deuses e Demônios
      • Astronomia
      • A religião nova
    • A educação   postulada pela Sabedoria verdadeira
      • A Piedade   dela é o fundamento
      • A Astronomia e as Matemáticas em geral dela são a substância  
      • A que concluem estes estudos preparatórios
  • Epílogo