Página inicial > Antiguidade > Eutífron

Eutífron

sexta-feira 25 de março de 2022

    

Eutífron   Sobre a piedade   [eusebeia]. Apresenta a Sócrates como modelo de piedade. Ridiculariza a hipocrisia de Eutifron, que se preocupa mais em evitar o pecado   que a injustiça  .



Resumo de Jean Brun  

No Eutífron, ou da Piedade, Sócrates, chamado ao tribunal, encontra Eutífron que levou o pai   perante a justiça porque este deixou morrer   na prisão um escravo   assassino; para justificar o seu ato, que provocou a indignação dos seus pais  , Eutífron cita o exemplo de Zeus   que mutilou o seu próprio pai porque este devorava os filhos. Mas Sócrates não se contenta com exemplos de piedade, pergunta ao jovem o que é que este entende por «piedoso» e este responde-lhe: «Aquilo que agrada aos deuses.» Mas Sócrates nota que os deuses estão em desacordo perpétuo e que se a conduta de Eutífron podia ter o assentimento   de Zeus, não teria com certeza o de Cronos. O problema está portanto em saber se uma coisa é piedosa se for amada dos deuses ou se é amada dos deuses porque é piedosa. Assim, não se valida um ato refugiando-se preguiçosamente por detrás de ordens divinas, não é fora dele mas sim nele que devemos ir buscar aquilo que fundamenta o seu valor  .


Resumo de Luc Brisson  

Primeiramente, Eutífron apresenta seu caso como uma ilustração da natureza piedoso. Sócrates não tem dificuldade   em mostrar que esta não é uma definição, mas um exemplo. Foi então que Eutífron propôs uma segunda definição: “O que é caro aos deuses é pio, enquanto o que não é caro a eles é ímpio. A princípio, Sócrates leva Eutífron a admitir que sua definição deve ser válida para «todos» os deuses ao mesmo tempo; em seguida, ele se lança a uma refutação particularmente sutil   da segunda formulação que resulta dessa precisão e que implica a autonomia   dos piedosos em relação aos deuses. A piedade existe por si mesma e seu conteúdo não depende da boa vontade dos deuses. Em suma, existe uma «forma» de piedade - seja esta ou não uma primeira alusão à doutrina das formas inteligíveis, como alguns comentaristas acreditam. Depois de um interlúdio, Sócrates se oferece para ajudar Eutífron explorando a hipótese de que «tudo o que é piedoso é necessariamente justo». É necessário também determinar em que consiste a justiça que corresponde à piedade. Eutífron responde que se trata da cura   (therapeia) devida aos deuses. É então que Sócrates se propõe a definir   esse cuidado   como um serviço (hyperetike). Mas, no grego antigo, o termo contém uma ambiguidade  , como é o caso do francês, conforme seja utilizado na expressão   «fazer o serviço» ou na expressão «prestar serviço»; no primeiro caso, o serviço visa apenas agradar, enquanto no segundo ajuda   a produzir um resultado. Ora, Eutífron entende o termo no primeiro sentido, enquanto Sócrates o entende no segundo. Constrangido e chocado com esta má fé, Euthyphron propõe uma nova definição: “a piedade consiste em saber dizer e fazer o que agrada aos deuses, nas orações e nos sacrifícios”. Mas a última definição, como Sócrates aponta, é apenas uma nova formulação da segunda que já foi refutada. [BRISSON, Luc (dir). Platon. Oeuvres complètes. Paris: Flammarion, 2012, p. 395-396]