Página inicial > Modernidade > Buzzi (IP:7) – sophon

Buzzi (IP:7) – sophon

quinta-feira 24 de março de 2022

      

Excertos de Arcângelo Buzzi  , Introdução ao Pensar  , 1976, p. 7

Onde está a sabedoria   para que o filósofo crie com ela esses laços de correspondência, de harmonia   e amor? A sabedoria é o todo  , é a realidade, são os entes em sua totalidade. Podemos traduzir sóphon como o todo dos entes. O todo dos entes, porém, é cheio de pensamento; daí sóphon também significar sabedoria.

Quando o filósofo está no todo como quem sabe ler a harmonia nele inserida, como quem sabe corresponder à unidade   dos entes, possui a sabedoria, o sóphon. Para tanto o filósofo precisa perceber o um que tudo une, que tudo harmoniza. Esse um é a própria realidade, é sua identidade   última presente   e estranha ao pensamento.

O sóphon, o um, não é uma coisa, um objeto entre os demais. O um é o que possibilita cada objeto ser ele mesmo, é o que possibilita o agente   acolher   e viver   os acontecimentos, por díspares que sejam, numa unidade de integração superior. O um não é objetivável. É o imponderável que dá ao pensamento a competência de ponderar o que acontece em síntese significativa. Por exemplo, Pedro   nasce, vive em família, morre-lhe a mãe  , o pai vai à guerra  , estuda, ama, casa  , procria, adoece, envelhece e aguarda a morte. O espírito de Pedro, nessa caminhada existencial, viveu em unidade superior os acontecimentos, alegres e tristes, sem se perder, sem parar em nenhum deles, como a melodia   que não pára numa nota, mas a todas percorre, como a poesia que não se perde num verso, mas se constitui na síntese unitária de todos os versos.


Ver online : Arcângelo Buzzi