Página inicial > Antiguidade > autos

autos

quinta-feira 24 de março de 2022

      

autós   / autos: si mesmo  , em si, próprio  . Reflexivo: hautós / hautos.

Gramaticalmente, autos significa ao mesmo tempo   eu mesmo, si mesmo, a própria coisa, próprio (latim: ipse); o mesmo, a mesma coisa: tò autó / to auto (neutro) (latim: idem). Platão o emprega em sentido de substância  : o em-si; Aristóteles  , no sentido de idêntico: o mesmo que si.

Dos pontos de vista lógico e metafísico, autos tem parentesco com hómoios / homoios  : semelhante.

Opõe-se a:

  •  o outro: héteros / heteros  
  •  um outro: állos / allos
  •  diferente: diáphoros / diaphoros
  •  oposto: antikeímenos / antikeimenos  
  •  contrário: enantíos / enantios
  •  dissemelhante: anómoios / anomoios

    Expressão  : kath’hautó / kath’hauto: por si; que se dá a si mesmo existência (o a se latino, e não o per se ou in se = substância, aquilo que existe de si mesmo, e não por seus acidentes).

    Platão emprega autos para qualificar a Essência (eidos  ); mesmo significa aí o absoluto  , tal como se diz: "ele é a bondade mesma". É assim que ele menciona as Essências matemáticas: o Igual em si: auto tò íson / auto to ison (Fédon, 74a), a Grandeza   em si: auto tò mégethos / auto to megethos (ibid., 102d), os Números em si: autoí oi arithmoí (Rep.  , VI, 525d); mas também o Justo em si: díkaion auto (Fédon, 65d), o Bem em si (ibid., 76d), a Verdade   em si: autè he alétheia (Rep., VII, 526b), e sobretudo a Beleza em si: auto tò kalón (Rep.,V, 476b: Crátilo  , 439c; Banquete  , 21 le; etc). Em Sofista   (254d-258c), ele expõe a teoria   do não-ser   como alteridade, opondo o Mesmo (tautón, contração de tò autón) e o Outro (tháteron, contração de tò heteron).

    Aristóteles empenha-se em confrontar o Mesmo a todos os seus opostos, mas também em distinguir   o Mesmo segundo a essência (kath’hautó); e o Mesmo segundo o acidente (katà symbebekós) (Met., A, 9-10). No tratado Das categorias (X-XI), ele trata sucessivamente dos opostos e dos contrários. [Gobry  ]


    Designando um ser como o mesmo a linguagem corrente significa que ele é idêntico a isto que designava uma outra expressão. A filosofia tradicional herdou dos gregos a ideia que a mesmidade ou a identidade de si a si (A = A) é um princípio constitutivo da realidade   ontológica. Este princípio funciona em relação   a um princípio de alteridade e de diferença   (A ­diferente de B). Se opõem todos os dois   na expressão "o mesmo e o outro". [Notions philosophiques  ]