Página inicial > Antiguidade > Afrodite

Afrodite

quinta-feira 24 de março de 2022

      

Acredita-se que Afrodite ou Vênus, a mais bela das Deusas, era primitivamente venerada como uma Deusa   da luz, considerada não somente na magnificência variada de suas manifestações no Céu, mas também em sua ação fecunda na superfície da Terra  . Não é então na serenidade da luz que as rosas parecem desabrochar, e que a seiva renova, na primavera, a basta cabeleira das florestas? Com o tempo  , a Deusa que surgia na estação que é para o ano o que a aurora   é para o dia, tornou-se a rainha da beleza do mundo, a eterna soberana por quem tudo quanto respira chega à existência. Ora, se tudo que é belo inspira o amor, a Deusa, que criava e propagava a beleza em tudo quanto tem vida, devia também naturalmente tornar-se a Divindade   da sedução  , que nos leva a amar   tudo o que nos parece belo.

Deusa de suave sorriso, Afrodite nasceu da espuma das vagas. Branca e pura como a alva num mar prateado, dizem que ela apareceu, pela primeira vez, nas costas brilhantes de Chipre. O sopro úmido de Zéfiro havia impelido, durante muito tempo, sobre as ondas murmurantes, a concha nacarada que continha a Divina. Quando aquela chegou à praia, suas duas valvas abriram-se e Afrodite saltou desse berço marinho. A medida que caminhava pela areia, as flores brotavam-lhe sob os pés delicados. As Horas, com pequenas tiras de ouro   circundando a testa, acolheram-na, enxugaram-lhe o corpo gotejante de água salgada, torceram-lhe a loura cabeleira e ataviaram-na com vestimentas perfumadas. Sobre sua cabeça   colocaram uma coroa de ouro, fixaram-lhe às orelhas pendentes de flores em metal precioso e enlaçaram ao redor de seu pescoço e no argênteo colo, colares resplendentes. Terminado o ataviamento, as Horas bondosas fizeram avançar um carro puxado por duas pombas. Afrodite nele subiu e abalou para junto dos Imortais. Diante do espetáculo   de sua radiante beleza, a assembleia   dos Deuses pôs-se toda em pé. Todos saudaram-na como uma nova rainha, fazendo-a sentar-se num alto trono. Desde então Afrodite reina sobre os Felizes do Olimpo. A graça luminosa que brilhava em seus olhos, o encanto impressionante de seu divino sorriso, a harmonia   dos gestos, a nobreza real   do andar augusto   e dos suntuosos adornos tornaram-na, para todos os Imortais, um espetáculo- duradouro de enlevo e alegria  . [Meunier]