Página inicial > Antiguidade > Íon

Íon

quinta-feira 24 de março de 2022

Resumo de Luc Brisson  

Íon   é um rapsodo: vestido com roupas coloridas, ele recita poemas do alto de uma plataforma, acompanhado de uma cítara, no contexto de competições realizadas durante festivais organizados pelas cidades. Quando é abordado por Sócrates, Íon   acaba de chegar a Atenas para participar da competição que acontece na festa da Panathenaia. Íon  , que se considera o melhor dos rapsodistas, dedica-se a Homero  , o melhor dos poetas, cujos poemas interpreta e cujos versos também explica. Se Íon   escolheu Homero  , é porque ele é um poeta inspirado pela divindade. Ora, através do rapsodo, estende-se uma corrente entre o poeta e seus ouvintes, por meio da qual a inspiração se transmite como um ímã cujo misterioso poder atrai simultaneamente várias alianças de ferro. O rapsodo, que não está em posse de alguma arte, de alguma técnica quando alcança a quem escuta a sua interpretação, não o está também quando faz obra de exegeta. Nenhum dos assuntos que Homero   aborda escapa a competência do rapsodo; mas temos que admitir que, competente em todas as coisas, ele de fato em nada é. Por conseguinte, ele não possui nenhuma arte, nenhuma técnica, nenhum conhecimento, como é o caso de um grande número daqueles especialistas cujas pretensões Sócrates denuncia.