Página inicial > Antiguidade > Críton

Críton

quinta-feira 24 de março de 2022

Sobre os deveres cívicos. Sócrates, modelo de cidadão, renuncia salvar sua vida para permanecer fiel às leis   de Atenas, às quais dá um sentido religioso, como expressão da vontade de Deus.


Estrutura do Diálogo

Criton  

  • Prólogo (43a-44b)
    • O despertar de Sócrates
    • Anúncio de sua morte
  • A proposição de Criton   (44b-46a)
    • Os infortúnios (symphorai) de se abaterão sobre Criton  
      • A morte de um amigo
      • A má reputação
    • Sócrates deve abandonar todo temor
      • Aquele dos sicofantas
      • Aquele concernente à fortuna de Criton  
      • Aquele concernente ao exílio
    • A recusa de Sócrates não será conforme à justiça
      • A respeito de si
      • A respeito de seus filhos
      • A respeito de sua entourage
    • É preciso ter tomado uma decisão
  • A recusa de Sócrates (46b-54c)
    • Quem se deve consultar?
      • O princípio
      • Sua aplicação
        • Não o grande número
        • mas o expert
          • para o corpo
          • para a alma
    • A intervenção das Leis  
      • Premissas
      • Consequências
        • Fugir constituiria uma injustiça
          • As Leis   exigem o respeito assim como os pais
          • Sócrates lhes deu sua concordância
            • falta de ausência
            • recusa do exílio
            • ele não prefere outras leis  
        • Fugir não traria as vantagens esperadas
          • nesta vida
            • riscos para a entourage
            • consequências nefastas para Sócrates
              • culpabilidade demonstrada
              • vida dissoluta
            • a sorte das crianças
          • no Hades
      • Conclusão