Página inicial > Antiguidade > Brun: Parmênides

Brun: Parmênides

quinta-feira 24 de março de 2022

O poema começa em tom solene:

«As águas que me transportam conduziram-me tão longe quanto o meu coração podia desejar, pois me conduziram e colocaram na via famosa da deusa que, sozinha, dirige o homem que sabe através de todas as coisas.» Guiado por donzelas, que lhe mostram o caminho, o carro de Parmênides franqueia as portas do Dia e da Noite e chega diante da Divindade que lhe deseja as boas-vindas. W. Jaeger   insistiu, com razão, no carácter iniciático, mesmo órfico, deste episódio do poema parmenidiano. (Jean Brun  , "Pré-Socráticos  ")


Ver online : PARMÊNIDES