Página inicial > Imaginal > Bennett Experientia

Bennett Experientia

domingo 20 de março de 2022

      

Experiência é a dada totalidade. Dela somente podemos aprender  , e devemos ouvir   a que tem falar-nos. Descrevendo o que descobrimos, acostumamos a usas palavras tais como «mim   mesmo - eu», «nós», «vocês», e «o mundo», mas não devemos nos deixar ser enganados pelo costume   de supôr que deve haver dados imediatos de experiência aos quais tais palavras correspondem. Elas podem provar em exame   ser convenções às quais aderimos sem nos perguntar que sentido, se algum, têm para nós. De fato, refletimos seriamente, fazemos a descoberta que «mim mesmo - eu», «nós», «vocês», e «o mundo» não são dados diretamente na experiência apesar de tudo. A criança, que não usa as palavras eu-tu - «eu» e «tu» e não conhece mundo mas sua experiência autêntica, está em contato mais próximo com a realidade do que nós.

A distinção entre as categorias   de totalidade e dualidade   - polaridade levou à separação   sujeito-objeto e à distinção que fazemos entre «mim mesmo - eu» e «outro - não-eu». Estas separações e distinções não são a experiência total, nem são aspectos primários dela. Assim reconhecendo estamos livres da necessidade   de examinar muitas questões consideradas filosoficamente importantes.

Podemos relançar a antiga questão: «Do que é toda realidade feita?» sob a forma: «Do que é toda experiência feita?». Ordinariamente tendemos a imaginar que deve haver duas espécies deste algo correspondendo à distinção entre sujeito e objeto. Seguimos assim de perto a suposta distinção cartesiana de «substância pensante» e «substância extensa». Isto é como dizer que porque uma vara tem duas pontas, deve ser feita de duas substâncias, enquanto as pontas são apenas aspectos da vara que é una, unidade   e reconciliação de aparente opostos  , e assim pontas que não têm existência aparte da vara. O que é ou existe, a experiência ela própria.

Concluindo, qualquer exame   da experiência deve nos convencer que há somente esse «algo» do qual tudo é feito. Podemos adotar o uso do termo hyle  , segundo Aristóteles, para denotar o que G chama a «substância-cósmica-de-fonte-primordial». Hyle não é a base sem forma — to apeiron   — dos pré-socráticos, mas substância capaz de receber   forma e atributos - caráter (v. nama-rupa  ).