Página inicial > Imaginal > Corbin (CETC:10-11) – Formas Imaginalis

Corbin (CETC:10-11) – Formas Imaginalis

quarta-feira 24 de agosto de 2022

    

Quanto à função do mundus imaginalis   e das Formas imaginalis ela é definida pela sua situação   mediana e mediadora entre o mundo inteligível e o mundo sensível  . Por um lado, ela imaterializa as Formas sensíveis, por outro «imaginaliza» as Formas inteligíveis às quais dá figura e dimensão. O mundo imaginal simboliza por um lado com as Formas sensíveis, por outro com as Formas inteligíveis. É esta situação mediana que de pronto impõe ao poder imaginativo uma disciplina impensável aí onde ela é degradada em «fantasia», não secretando senão o imaginário, o irreal, e capaz de todas as licenciosidades. É a total diferença   que conhecia e já demarcava fortemente Paracelso   entre a Imaginatio vera (a verdadeira Imaginação  , a imaginação no sentido verdadeiro) e a Phantasey.

Para que a primeira não degenere nesta última, é precisamente esta disciplina que resta inconcebível, se o poder imaginativo, a Imaginação ativa, está exilada do esquema do Ser e do Conhecer. Esta disciplina não poderia concernir uma imaginação reduzida ao papel de «louca da casa  », mas ela é inerente a uma faculdade mediana e mediadora cuja ambiguidade   consiste em que ela pode pôr a serviço da estimativa, quer dizer das percepções e dos juízos empíricos, ou muito pelo contrário se pôr a serviço deste intelecto   que nossos filósofos designam o supremo grau como intellectus sanctus (aql qodsi, intelecto santo), iluminado pela inteligência agente   que é o Anjo   Espírito Santo  . A gravidade   do papel da imaginação é marcada por nossos filósofos, quando dizem que ela pode ser a «Árvore bendita» ou ao contrário a «Árvore maldita» de que fala o Corão, o que quer dizer Anjo em potência ou Demônio em potência. O imaginário pode ser inofensivo; o Imaginal não o é jamais.

Dá-se o passo definitivo em metafísica   do imaginal e da imaginação, quando se admite, com Molla Sadra   Shirazi, que o poder imaginativo é uma faculdade puramente espiritual, independente do organismo físico, e sobrevivendo consequentemente a este. Ele é o poder formador do corpo sutil   ou corpo imaginal (jism mithali), ou seja este corpo sutil   ele mesmo, jamais inseparável da alma  , quer dizer do eu-espírito, da individualidade espiritual. Então é conveniente esquecer tudo que os filósofos peripatéticos ou outros disseram, quando dele falavam como de uma faculdade corporal e falecendo com o corpo orgânico da qual segue o estatuto.

Esta imaterialidade do poder imaginativo já é nitidamente afirmada por Ibn Arabi  , quando diferencia as Formas imaginais absolutas, quer dizer tais como elas subsistem no Malakut, e as Formas imaginais «cativas», quer dizer imanentes à consciência   imaginativa do homem   neste mundo. As primeiras estão no mundo da Alma ou Malakut, as epifanias ou teofanias, quer dizer as manifestações imaginais das puras Formas inteligíveis do Jabarut. As segundas são, por sua vez, as manifestações das Formas imaginais do Malakut ou mundo da alma à consciência imaginativa do homem. Logo é perfeitamente exato de falar de Imagens metafísicas. Ora, estas não podem ser recebidas senão pelo órgão espiritual. A solidez e a interdependência entre a Imaginação ativa definida como faculdade espiritual e a necessidade   do mundus imaginalis como intermundo, respondem à exigência de uma concepção considerando os mundo e as formas do Ser enquanto teofanias (tajalliyat ilahiya). [CorbinCETC]


Ver online : Excertos de «Corpo Espiritual e Terra Celeste»