Página inicial > Oriente > Wei Wu Wei (UW:Intro) – a coruja e o coelho

Wei Wu Wei (UW:Intro) – a coruja e o coelho

sábado 27 de agosto de 2022

    

tradução

A sabedoria   revelada por estes familiares e não familiares animais   não me surpreende de todo. Posto que a expressão   verbal atribuída a eles é aquela de seu interpretador O.O.O. [1], nada há de inatural ou misterioso sobre o que eles se põem a falar. E suas ações são claramente interpretações também: tudo é atual mas não factual, como o conteúdo de nossas «vida» relativas. Nem suas vidas nem as nossas são genuínas — o que está de acordo com a Virtualidade — mas enquanto nossas vidas não tem interpretador para as extrapolar para lermos sobre ela, suas vidas aqui recebem extrapolação.

Só tenho um comentário a oferecer  : que um pobre   O.O.O. não nos dê um tratamento similar, e nos apresente o que está realmente se passando em nossa própria dimensão não objetivizada! Penso que ele pode levantar suas sobrancelhas e replicar perguntando «Que diferença   poderias possivelmente esperar? Nenhuma tal diferença poderia ser, pois nenhuma «diferença» — diferença sendo puramente relativa — tem qualquer existência Absoluta como tal, nunca teve e nunca poderia ter, pois nem «espaço» nem «tempo» tem qualquer existência objetiva também, posto que relativamente representam precisamente o que, Absolutamente, SOMOS.»

Temo que O.O.O. possa replicar a minha sugestão ou demanda por levantar de novo suas sobrancelhas — um hábito   que tem — e apontar que os seres humanos nem têm o charme, a franqueza, nem a simplicidade de nossos irmãos animais, e que suas discussões seriam briguentas e obscurecidas pelas névoas da conceptualidade. Talvez, apesar de tudo, ele possa não estar certo, talvez nós não possamos «fazê-lo» francamente e simplesmente, como nossos amigos animais agem. Apesar do que possa ser, vamos tomar vantagem   da franqueza destes companheiros sencientes e se contentar de se beneficiar pela sua sabedoria mais silenciosa.

Somos apenas demandados a reconhecer   nós mesmos em estes breves, e por vezes alegres, esboços, e beneficiar do que revelam. Quanto a mim  , assim já fiz, e posso sinceramente recomendar a experiência. Espero de fato que você, quem quer que possa estar lendo isto, beneficie-se tão inteiramente quanto o fiz. [WWWUW  ]

Original

The wisdom revealed by these familiar and unfamiliar animals does not surprise me at all. Since the verbal expression attributed to them is that of their interpreter O.O.O., there is nothing unnatural or mysterious about what they are given to say. And their actions are clearly interpretations also: all is actual but not factual, like the content of our own relative “lives.” Neither their lives nor ours are genuine—which is in accordance with Virtuality—but whereas our lives have no interpreter to extrapolate them for us to read about, their lives here receive extrapolation.

I have only one comment to offer: what a pity O.O.O. does not give us a similar treatment, and show us what is really going on in our own unobjectivized dimension! I think he might raise his eyebrows and reply by asking “What difference could you possibly expect? No such difference could be, for no ‘difference’—difference being purely relative—has any Absolute existence as such whatever, never has had and never could have, for neither ‘space’ nor ‘time’ has any objective existence either, since relatively they represent precisely what, Absolutely, we ARE.”

I fear that O.O.O. might reply to my suggestion or plea by again raising his eyebrows—a habit he has—and pointing out that human-beings have neither the charm, the frankness, nor the simplicity of our animal brothers, and that their discussions would be cantankerous and obscured by the mists of conceptuality. Perhaps, after all, may he not be right, perhaps

we could not “do” it frankly and simply, as our animal friends act. However that may be, let us take advantage of the straightforwardness of these fellow sentient-beings and be content to profit by their more silent wisdom.

We are only asked to recognise ourselves in these brief, and sometimes gay, sketches, and to benefit by what they reveal. As for me, I have already done so, and can quite sincerely recommend the experience. I hope indeed that you, whoever you may be who are reading this, may benefit as thoroughly as I have. — Wei Wu Wei   [WWWUW]


Ver online : Wei Wu Wei – Unwordly Wise


[1«O.O.O.» é um signo representando a «raiz cúbica de zero», o signo algébrico pelo qual não é nem sempre prontamente compreensível. «O», símbolo de zero, representa o Sujeito cujos objetos são todos os números de um a infinito.