Página inicial > Oriente > Izutsu (UECP) – Lahiji e a criação perpétua

Izutsu (UECP) – Lahiji e a criação perpétua

quarta-feira 7 de setembro de 2022

    

Como acabamos de indicar, Lahiji aborda esse problema criação contínua do ponto de vista da estrutura   essencial dos existentes no mundo empírico. Todo existente neste mundo é ontologicamente um “possível” mumkin, ou seja, não-necessariamente-existente. E dizer que todo existente tem imkan ou «possibilidade ontológica» como nossa própria essência   nada mais é do que dizer que tudo neste mundo abraça, por assim dizer, em si a não-existência, que tudo, tomado em si e considerado por si — i.e., considerado separado de Deus  , a Fonte   última da existência — é adam   «nada» ou «inexistente». Assim, pela própria exigência de sua própria negatividade essencial, todo existente no mundo, se deixado sozinho, vai imediatamente à anulação de si mesmo  .

Tudo desta maneira pode possuir apenas uma existência momentânea. Pois, no momento em que é trazido para a esfera   do ser, sua própria natureza o atrai irresistivelmente de volta para a esfera do não-ser. Que todo existente tenha por natureza essencial a tendência a se anular é precisamente o que comumente se entende por «efemeridade  ». Todas as coisas são, portanto, efêmeras. Todas as coisas, diz Lahiji, estão correndo com velocidade vertiginosa para o abismo   da não-existência. Nada para nem por um momento.

Por outro lado, porém, há a constante atividade   Criadora por parte do Absoluto – a atividade   Criadora que foi chamada por Ibn Arabi   najas rahmani «o sopro do Misericordioso  » – que vai conferindo nova existência às coisas enquanto vão se anulando. No próprio ponto de convergência destes dois   fatores, ou seja, (1) a «possibilidade» essencial de todas as coisas e (2) a constante efusão   do «sopro do Misericordioso» da Fonte metafísica   absoluta, khalq jadîd a «criação perpétua» é atualizada.

A função do «sopro do Misericordioso» consiste, portanto, em reter — ou mais literalmente «encadear» (habs kardan — as coisas essencialmente inexistentes à existência. Mas o «encadear à existência» não deve ser entendido como as coisas sendo feitos para existir de forma contínua e ininterrupta. Isto é absolutamente impossível por causa   da “possibilidade” essencial das coisas. Ao contrário, o “encadear à existência” aqui em questão é efetuado, de acordo com Lahiji, da seguinte maneira. Todo existente pela exigência de sua própria «possibilidade» ontológica, deve despir-se da roupagem da existência tão logo venha a ser. Mas neste exato momento, o sopro do Misericordioso confere à coisa uma nova roupa   de existência de maneira que a coisa é feita para parecer como se permanecesse existente sem qualquer interrupção. Mas na fração de segundo em que a coisa tira a roupa velha e veste uma roupa nova, o olho do místico   vislumbra um abismo insondável de não existência escancarada sob a existência   da coisa. Todas as coisas nesse sentido, conclui Lahiji, estão a todo momento no estado   de criação «perpétua» (dar har an dar khalq-e jadîd-and), porque a relação (nisbah  ) na qual todo «possível» existente afirma-se à existência é a cada momento novo.

A abordagem tipicamente filosófica do problema da «criação perpétua» que acabamos de examinar pode, em última análise, ou pelo menos parcialmente, ser atribuída a Ibn Arabi. De qualquer forma, a ideia exposta por Lahiji não tem nada de discordante com a visão   de mundo de Ibn Arabi. [CorbinMelanges  , Izutsu  ]


Ver online : EXCERTOS DA OBRA DE TOSHIHIKO IZUTSU