Página inicial > Oriente > Nisargadatta (Unborn) – o negócio «eu sou»

Nisargadatta (Unborn) – o negócio «eu sou»

segunda-feira 5 de setembro de 2022

    

tradução

Maharaj: Há um cliente para tudo, mas qual é a causa   de você ser o cliente? O conceito primário é o ’eu sou  ’, a partir dele são criados todos os outros conceitos. Você veio do conceito primário, desde que você tenha a necessidade   de ser, você tem este mundo maravilhoso e prolífico e todos os Deuses estão disponíveis. A distinção entre o mundo e Brahman   veio porque você quer sustentar   sua existência, o ’eu sou’, o mundo manifesto   é importante para você porque você quer ser. Mas quando a necessidade de ser não é sentida, como no sono ou, em resumo, quando a consciência   não é consciente, não há necessidade. Quando a consciência é aí, ela sempre precisará de consciência quando a consciência não estiver aí, onde está a necessidade de qualquer coisa? De que serve a disponibilidade do mundo? O mundo e seu senhor são apenas um incômodo em meu estado  . A necessidade de ser é apego: nenhuma necessidade, nenhum apego. Não vou ser estúpido e perguntar como sou na ausência   de consciência. Não se pode falar sobre o estado anterior   à consciência. No reino da consciência estão as experiências e toda a conversa. Aquele que se reconheceu, compreendeu e transcendeu a si mesmo   pode falar, caso contrário, fica preso no movimento   de pegador de Maya  ; você é pego por seus próprios tentáculos (identificação com o corpo – pinça). Por causa de sua própria decepção, você faz perguntas, fica capturado e enredado em mais e mais conceitos.

Original

Maharaj: There is a customer for everything, but what is the cause of your beingness being the customer? The primary concept is the ‘I am’, out of it are created all other concepts. You have come from the primary concept, so long as you have the need to be, you have this prolific wonderful world and all the Gods are available. The distinction between the world and Brahman has come because you want to sustain your beingness, the ‘I am’, the manifest world is made important by you because you want to be. But when the need for beingness is not felt, like in sleep or in short, when consciousness is not conscious, there is no need. When consciousness is there, it will always need consciousness when consciousness is not there, where is the need for anything at all? Of what use is the availability of the world? The world and its lord are only a nuisance in my state. The need to be is bondage, no needs no bondage. I will not be stupid and ask how I am in the absence of consciousness. There can be no talk about the state prior to consciousness. In the realm of consciousness are the experiences and all the talk. The one, who has recognized, understood and transcended oneself can talk, otherwise, one is caught in the pincer movement of Maya; you are caught by your own tentacles (identification with body — pincer). Because of your own deception, you ask questions, you are caught and enmeshed in more and more concepts.


Ver online : Nisargadatta Maharaj