Página inicial > Oriente > Fernandes (FC:40) – Discernimento - Existência

Fernandes (FC:40) – Discernimento - Existência

sexta-feira 23 de setembro de 2022

    

Do mesmo modo, o aspecto intelectual   do discernimento   das três características da Existência — Impermanência   (anicca), Sofrimento   (dukkha) e Não-eu   (anatta) — une inextricavelmente o Intelecto   à Intuição   (primeiro e sétimo passos do Caminho   Óctuplo), na visão   de «o que é», como tal (entendimento correto, samma-ditthi; plena ideação consciente, samma-sati), introvisão, insight   direto: numa palavra, vipassana. Trata-se da primeira «qualidade  » superior da atenção   (manas) e precede, como condição sine qua non, a absorção não-egóica (appana, ou jhana  : experiência pura, sem experienciador). Vipassana é atenção nua, sem revestir-se de pensamento (manovijnana).

Estamos diante do que considero fidelidade ao Ser («amizade   fiel») , ou seja, uma atividade   — que, no Ocidente, prefere-se chamar de «exercício espiritual», ou «contemplação», ao invés de Filosofia, como seria mais próprio. A Filosofia aparece, no budismo  , como vimamsa, investigação. O arcano   em que essa atividade   se exerce (em retiro  , sesshin; em Zazen, o nome japonês para vipassana, ou Atenção; em contemplação de questões paradoxais, ou koans) chama-se «o que é». Não se trata de uma mudança   no conteúdo da mente  , mas, como observou o etólogo inglês John Crook, apoiando-se em Govinda, uma alteração   na relação entre o ego mental discernente e o mundo-como-experienciado, ou seja, digo eu, uma alteração na intencionalidade enquanto «forma de inconsciência», pela qual o próprio ego passa a ser um órgão dentre outros, integrado à Consciência  . É neste sentido que o estado   desperto   não é outro, senão o estado mesmo em que nos encontramos agora. Isto só pode ocorrer como se fosse absolutamente independente das nossas intenções; só pode parecer algo banal, «que já chega tarde», como se sempre o conhecêssemos; só pode aparecer  , ao mesmo tempo, como óbvio e como revelação; e só pode estar, para a nossa vigília normal, como o nosso acordar de manhã está para o nosso sonho noturno. [FernandesFC  ]


Ver online : Sergio L. de C. Fernandes