Página inicial > Arte e Simbolismo > A Gnose

A Gnose

domingo 20 de março de 2022

Tradução da versão francesa de François Sagnard, Extraits de Théodote (Sources chrétiennes)
Extratos da obra de Teodoto e da escola dita oriental na época de Valentino
Primeira Seção Extr. 1-28
A Gnose  
Logo, o Pai, sendo desconhecido (agnotos), quis se fazer conhecer (gnosthenais) aos Eões: e através de seu próprio PENSAMENTO (enthymesis) (enquanto se conhecia a si mesmo) ele emitiu o MONOGENE, Pneuma de “Conhecimento” (gnosei). Assim aquele que saiu do “Conhecimento” (gnoseos), quer dizer do PENSAMENTO do Pai (patrikes enthymeseos), se tornou igualmente “Conhecimento” (gnosis), quer dizer o FILHO, pois é pelo FILHO que o Pai foi conhecido (egnosthe).

A o Pneuma de Amor (de “caridade”, agape - agapes) se misturou com o Pneuma de Conhecimento (gnoseos), como o Pai com o FILHOS, e o PENSAMENTO com a VERDADE, este Pneuma de Amor sendo saído da VERDADE, como o “Conhecimento” (gnosis) saiu do PNESAMENTO.

E, por uma lado, Aquele que permaneceu “o FILHO MONOGENE no seio do Pai” “explica” (exegeitai) aos Eões, pelo “Conhecimento” (gnoseos), o PENSAMENTO do Pai (enthymesin), enquanto é, ele também, emanado do seio do Pai;

por outro lado, Aquele que se viu aqui em baixo não se chama mais, no Apóstolo, “Monogene”, mas “como o Monogene”: “... sua glória, como aquela do Monogene”.

Clemente de Alexandria  
Isso se deve a que, sendo um e idêntico, Jesus é por um lado, na Criação, “Primogênito” (Prototokos), por outro lado, no Pleroma, “MONOGENE”. Mas é o mesmo, que é em cada lugar tal qual ele pode ser compreendido por este lugar. E jamais “Aquele que desceu” é separado dAquele que permaneceu. O Apóstolo disse com efeito: “Aquele que subiu é aquele mesmo que também desceu”.