Página inicial > Antiguidade > Caeiro (Arete:130-131) – tematização da virtude

Caeiro (Arete:130-131) – tematização da virtude

quinta-feira 3 de fevereiro de 2022

A excelência (ἀρετή) enquanto poder (δύναμις) resulta da tematização levada a cabo por uma perícia (τέχνη) que não tem apenas o objectivo mais ou menos vago da «arte política» (πολιτική τέχνη) de tornar os cidadãos em cidadãos poderosos ou excelentes, o que quer que isso queira dizer. A perícia (τέχνη) que tem em vista a excelência (ἀρετή) procura desocultar o sentido das situações (πράξεις) que ao surtirem o seu efeito sobre nós nos deixam sem a capacidade de vislumbrar uma saída para o problema absoluto que criam. Ou seja, a tese de Sócrates segundo a qual a excelência (ἀρετή) não é ensinável nem pode ser fornecida por um saber humano aponta para a problematicidade da constituição de um sentido que dê uma orientação e pelo qual nos possamos dirigir, quando nos encontramos sob o efeito de uma ação que nos afeta ao ponto de não vermos saída nenhuma para essa disposição das coisas. A análise levada a cabo no Protágoras depende da focagem da situação (πρᾶξις) na qual nos encontramos sem qualquer possibilidade de ter em vista (ἐπίστασθαι) a excelência (ἀρετή), isto é, da situação que ao constituir-se suspende todo e qualquer encaminhamento para o cumprimento (τέλος) que de uma forma mais ou menos explícita nos é dado ao virmos à existência, o de podermos executar as possibilidades de vida de que dispomos. Assim, é a análise da situação precária (κακή πρᾶξις) e do homem precário (κακός ἀνήρ) em algumas das suas formas de manifestação o que vai tornar possível mostrar de que forma se compreende a possibilidade de constituição de um desvelamento da excelência (ἀρετή). É a partir da tematização de manifestações deformadoras do desenvolvimento da lucidez humana (ψυχή) que se procura tematizar a possibilidade da excelência (ἀρετή). A situação (πρᾶξις) tematizada é a que, pela sua presença, destrói aparentemente a habitabilidade da vida e do mundo. Pela tematização destas manifestações de perversão podemos, através do contraste, fazer ressaltar os limites da situação (πρᾶξις) humana. Estes limites são a impossibilitação (κακία) e a excelência (ἀρετή). [CaeiroArete:130-131]