Página inicial > Arte e Simbolismo > Vinda Entre Nuvens

Vinda Entre Nuvens

domingo 24 de julho de 2022

    
26) Então verão vir o Filho   do homem   nas nuvens, com grande poder e glória  . (Mc 13:26)
 
30) Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem, e todas as tribos da terra   se lamentarão, e verão vir o Filho do homem sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória. (Mt 24:30)

Roberto Pla  

Desde uma concepção testamentária, “ver” é o mesmo que “conhecer” ou, melhor ainda, “reconhecer   o que é”, posto que em pureza   não é o Filho do Homem o que viaja até a consciência   mesma, a alma  , a qual uma vez lavada apelo batismo de purificação, isto é, uma vez desnuda de seus pressupostos de ordem psíquico, acede ao nascimento “em espírito  ” e penetra no Lugar Santo, na Morada do Filho do Homem, onde este se revela ao final.

Agora se compreende que tinha razão   Jesus   quando disse que à geração humana “não se daria nenhum sinal” (da vinda), e certamente, não é necessário tal sinal posto que o Filho do Homem é o sinal de si mesmo  . Sua presença   é inconfundível e as nuvens nas quais o Filho do Homem vem são mais “visíveis” que o arco que pôs Deus   no céu como sinal de unidade  , de aliança, entre o homem e Deus, ainda que de fato nunca houvesse dualidade entre ambos.

Quando o Filho do Homem “chega” envolto nas nuvens, se eleva a Nuvem que cada um descobre em si mesmo, “em cima da Morada”, e a Nuvem o guia   pelo caminho. De dia — já se sabe — a condição se faz em coluna de Nuvem, e de “noite”, em coluna de fogo  . A nuvem, é um filtro da presença, para que os olhos novos do espírito possam contemplar adequado a suas forças o fulgor intenso da luz abrasadora; e o fogo, essa mesma Luz ardente mas sem Nuvem, vem por si a alma entra em um estado   de “noite”. Então as chispas do fogo do conhecimento, chovem sobre a alma como nova semente   de Deus.

Como explica Mateus, isto significa um duelo para “todas as raças da terra”, quer dizer, para os conteúdos terrenas da alma, porque o conhecimento arrasa tudo o que é da terra e levanta até a Luz o que é do céu. O que se levanta é sempre tudo o que nela creu no Filho do Homem. Mas isso se perguntou Jesus segundo o terceiro evangelhos  : “Quando o Filho do Homem venha, encontrará fé sobre a terra?”.

E não há que perguntar quais são os que “verão” ao Filho do Homem. Os “sujeitos” que podem ver (conhecer) ao Filho do Homem somos potencialmente todos os indivíduos da extensa geração humana. Em cada um de nós   pôs ele sua Morada, no princípio dos tempos, e todos estamos facultados para nos fazermos filhos de Deus.

O poder com o qual o Filho do Homem vem é o de dar a Vida eterna, que ele possui do Pai e que comunica a quem o “recebe”; e a Glória é o manto de Luz do Pai com o qual o Filho, morador no homem, se reveste. A Glória é a sabedoria de Deus, e as partículas de Luz (do fulgor de Luz que é fogo), são o conhecimento com o qual se redimem os eleitos até que alcancem a bem aventurança.

Como diz o profeta Isaías:

“Olha como a obscuridade cobre a terra
e espessa nuvem aos povos;
mas sobre ti amanhece o Senhor,
sua glória estende sobre ti” (Is 60,2).

(Evangelho de Tomé - Logion 11)