Página inicial > Imaginal > synago

synago

domingo 20 de março de 2022

      

synago   = reunir; episynago = juntar; syllego = juntar; trygao = reunir, armazenar; systrepho = juntar; athroizo   = juntar; synathroizo = juntar; episynagoge = ajuntamento; epathroizomai = ser juntado ainda mais.

No NT synago aparece 59 vezes, (sendo 24 em Mt  , 5 em Mc  , 6 em Lc   e 7 em Jo). Em Mt, o reunir se refere a pessoas ou coisas; há referências frequentes ao congregar-se dos líderes religiosos. Em Jo, foram “recolhidas” as sobras depois dos cinco   mil terem sido alimentados; os obreiros cristãos “ajuntam” frutos, e amissão do Cristo   é “reunir” em um só corpo os filhos de Deus  . Jesus muitas vezes “reúne” seus discípulos.

episynago ocorre no lamento de Jesus sobre Jerusalém., nas passagens escatológicas que falam do “ajuntamento” dos eleitos, e para a ação das multidões que se “juntavam em torno de Jesus.


Perenialistas Roberto Pla  : Evangelho de Tomé - Logion 106

É bem sabido que o propósito principal de Jesus, e por isso o do evangelho, foi: “reunir em um aos filhos de Deus que estavam dispersos”. Convém entender que “os filhos de Deus” aos que o texto joanico se refere são as chispitas - partículas de luz, a gota de espírito de cada homem   que é seu verdadeiro Ser essencial — a essência da alma   — e que em cada um de nós permanece “separado” pela ação de signo   egocêntrico das paredes da alma. Derrubar esse cativeiro, por essencialização da alma, é a primeira forma de unidade  .

Logo, uma vez recuperados em si mesmo   como luz, a reunião dos que se fizeram filhos de Deus é a consumação natural   dos dispersos raios   de luz, pois como está dito: “Em tua luz vemos a luz  ” (vide também Rompimento dos Vasos).

Com um mesmo sentido de unidade “em espírito” deve referir-se Jesus à simbólica Jerusalém celestial quando saiu dele aquele grito que era um lamento real e não uma apóstrofe, como se supôs por muitos: “Quantas vezes quis reunir a teus filhos, como uma galinha reúne a seus pintos soba as asas, e não havias querido!”.

Não há dúvida que segundo o ensinamento de Jesus, a reunião, o ser   “um” de todos os filhos de Deus, é correlativa da união   destes em um só Espírito, no Filho   do homem; e essa união, por sua vez, é também a união com o Pai, por quanto o Pai e o Filho do homem   “são um”.

Para explicar o sentido verdadeiro desta união de triplo signo que só tem cumprimento na união perfeita, emprega Jesus várias locuções distintas (vide União).