Página inicial > Antiguidade > Mesquita (RP:46) – involuntariedade do mal (kakon)

Mesquita (RP:46) – involuntariedade do mal (kakon)

sábado 29 de janeiro de 2022

Veja-se os dois diálogos de Sócrates   com Clínias no Euthd., 277d-282e e 288d-293a; mas atente-se também em todo o ensinamento sobre a involuntariedade do mal, assimilado à ignorância, colocando assim a procura do bem sob a dependência de uma mais profunda procura do saber, no Protágoras  , no Górgias  , na Apologia e no Críton  . Esta coincidência da excelência e do saber só virá a ganhar pleno esclarecimento com os livros centrais da República  , no quadro da descrição do Bem como condição simultânea de todo o saber efetivo e de toda a efetiva excelência (VI, 508c-509c, 511cd, VII, 533bd; cf. 504e-505b, 506a), lição que o Filebo   prosseguirá na sua versão mais definitiva e mais clara, através de uma limitação respectiva das pretensões do prazer e do saber à identificação com ίἀγαθόν [iagathon] (cf. 11b, 13e, 19d, 21b, 21d, 55bc, 60de, 65a-67b, e V. especialmente 22c, o apelo para ο ἀληθινόν καὶ θεῖον νοῦν [alethinon kai theion noun] como momento de identificação legítima do saber com o Bem; mas cf. também Phd., 69ae, Lg„ I, 631bd). Para esta última questão e, em especial, para a vinculação dos primeiros diálogos à doutrina do Bem na República  , veja-se: P. Shorey, The Unity of Plato  ’s Thought, Part 1 e Part II, pp. 78-82, bem como What Plato   Said, II; Friedländer, Plato  , II; mais recentemente, H. Teloh, Socratic Education in Plato  ’s Early Dialogues, Notre Dame (Indiana), University of Notre Dame, 1986. [MesquitaPlatão  :46]