Página inicial > Medievo - Renascença > Ambrósio de Milão Mordomo Infiel

Ambrósio de Milão Mordomo Infiel

domingo 20 de março de 2022

      

Obras de San Ambrosio  , I, Tratado sobre el Evangelio de San Lucas, Biblioteca de Autores Cristianos (BAC), Madrid, 1966, 655 p., edición bilingüe preparada por el padre   Manuel Garrido Bonaño, O.S.B.

Contribuição e tradução de Antonio Carneiro do Livro Sétimo 241- 248, páginas 472, 473 e 474

244. Ninguém pode servir a dois   senhores; é que, na realidade  , não existem dois senhores, mas sim um só Senhor. Porque ainda que tenha quem sirva às riquezas, contudo, não se lhes reconhece nenhum direito de domínio  , mas sim que eles se impõem a si-mesmo o jugo da escravidão; e isso não é um poder justo, mas sim uma injusta escravidão.

245. E assim disse: Fazei-os credores de amigos com as riquezas injustas, e isso com essa finalidade: para que, dando esmola aos pobres, estes nos procurem o favor dos anjos   e de outros santos. Não é que se repreenda ao mordomo, pois com seu exemplo aprendemos que nós não somos donos, mas sim mordomos das riquezas dos outros. E por isso, ainda que pecou, contudo, se elogia porque tratou de buscar-se para o futuro   o necessário para a indulgência de seu senhor. E com toda razão   falou-se das riquezas injustas, posto que a avareza   tenta nosso coração   com diversos atrativos de dinheiro, com o fim de que desejemos servir às riquezas.

246. Este é o motivo pelo que se disse: se no alheio não sois fiéis a quem os dará o que é vosso? As riquezas não são nossas, posto que elas estão fora de nossa natureza e, certamente, nem nasceram conosco, nem conosco perecerão, e, por outro lado, Cristo   sim é nosso, porque Ele é a vida; ainda que veio para os seus, e os seus não o receberam (Jo 1,11). Por isso ninguém os dará o que é vosso, porque não haveis acreditado nesse bem vosso nem o haveis recebido.

247. E, consequentemente, parece que os judeus   são acusados de engano e de avareza, e, portanto, não havendo sido fiéis no tocante às riquezas, que na realidade não eram suas — pois os bens da terra   são outorgados por Deus   nosso Senhor a todos para o bem comum — e das que deveriam, certamente, fazer partícipes aos pobres, não mereceram receber   a esse Cristo a quem aceitou Zaqueu com um desejo tão veemente, que lhe levou a repartir metade de seus bens. (Lc 19,8).

248. Portanto, não queiramos ser escravos do que não é nosso, porque não devemos ter mais senhores que Cristo; pois, não existe mais que um Deus Pai, de quem tudo procede e em quem nós existimos, e um só Senhor Jesus, por quem são todas as coisas (1 Cor 8, 6). Mas, acaso não é o Senhor o Pai e Deus o Filho? Não há dúvida de que o Pai é o Senhor, já que pela palavra   do Senhor foram feitos os céus (Sal 32, 6), e o Filho é também Deus, que está por cima de todas as coisas, Deus bendito   pelos séculos (Rom 9, 5). Como se entende pois, isso de que ninguém pode servir a dois senhores ? É que, posto que só existe um Deus, tem que haver também um único Senhor; e, por isso: Adorarás ao Senhor teu Deus e a Ele só servirás (Mt 4, 10). Donde claramente se deduz que o Pai e o Filho tem o mesmo poder. Se, pois, não se pode dividir, quer dizer, que está tudo no Pai e igualmente tudo no Filho. Assim, ao afirmar   que na divindade   se dá a unidade   e uma identidade de poder na Trindade  , confessamos que existe um só Deus e um só Senhor. E, por outro lado, os que sustentam que o Pai, o Filho e o Espírito   Santo possuem um poder diferente, deixando-se levar pelo nefasto erro   dos gentios, introduzem na Igreja   muitos deuses e muitos senhores.