Página inicial > Antiguidade > Qumran: Luz

Qumran: Luz

sábado 23 de julho de 2022

      

Bíblia y legado del Oriente, el entorno cultural de la historia   de salvación, M. Garcia Cordero, Biblioteca de Autores Cristianos, BAC serie normal 390, Madrid, xxiii, 1977, 711 p., ISBN: 84-220-0809-2.

XII. Os Documentos do Mar Morto

B) Os escritos de Qumran   e o Novo Testamento  

6. Influência de Qumran nos escritos apostólicos ?

Contribuição e tradução de Antonio Carneiro das páginas 686 e 688

Contraposição entre “luz” e as “trevas”

Qumrân

“ ... O sábio   explique a todos os filhos da luz ... Da fonte   da verdade   e do manancial das trevas a geração da iniquidade. Em mãos do príncipe da luz está a dominação de todos os filhos de justiça. Eles marcham pelos caminhos da luz. Em mãos do anjo   das trevas está o domínio   sobre os filhos da iniquidade, eles marcham por caminhos tenebrosos ...” (Regra   I Qs III, pp.13-14)

São Paulo  

“Foste há algum tempo   trevas, mas agora sois luz no Senhor; andais, pois, como filhos da luz. O fruto   da luz é todo bondade, justiça e verdade. Buscais aquele que é grato ao Senhor, sem se comunicar com as obras vãs das trevas ...” (Ef 5 e ss.)
 
“O Pai   nos livrou do poder das trevas e nos transladou ao Reino do Filho de seu amor ...” (Ts 5, 4-5).

Em 2Cor 11,14, São Paulo diz que o diabo   se converte em “anjo da luz”; e em Ef 6,12 fala dos “dominadores desse tenebroso mundo” e “anjo das trevas”. Também fala do “poder das trevas”, aludindo ao poder diabólico.(Lc 22,53; Col1.13). Estas denominações são correntes nos livros apócrifos   judaicos, aparte dos escritos de Qumrân. Os relatos bíblicos estão montados como um drama  , no que pulsa um dualismo moral ou pugna de duas forças antagônicas, tal como se encena no capítulo terceiro do Gênesis: a serpente   representa o espírito   anti-Deus  , que instiga ao homem   a ultrapassar os limites que impõe a lei divina em sua qualidade   de criatura. e um poder satânico trata desde então de desfazer a obra de Deus. Por outro lado, o símile da “luz” e das “trevas” contrapostos na ordem moral surge espontâneo  , já que o diabo habita nas regiões tenebrosas, fugindo da “ luz” , que desmascara suas atividades turvas. E no “Testamento de Levi” se lê: “Elege entre a luz e as trevas” (Test.Levi 19,1). Segundo Jo 12,46, Jesus   declara enfaticamente: “Vim como luz do mundo, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas”. Por isso o evangelista disse de Cristo que é “a luz que brilha nas trevas, mas as trevas não o abraçaram” (Jo 1,5). Neste suposto, São João desenvolve o símile da luz e das trevas na ordem moral e espiritual de modo seguinte:

“Esta é a mensagem que d’ Ele ouvimos e vos anunciamos: que Deus é luz e que n’ Ele não há treva alguma. Se disséssemos que vivemos em comunhão com Ele e andamos nas trevas, mentiríamos e não obraríamos segundo a verdade. Mas, se andamos na luz, como Ele está na luz, então estamos em comunhão uns com os outros ...” (1Jo 1, 5-7)
 
“As trevas passam e aparece então a luz verdadeira. O que disse que está na luz e incomoda seu irmão, este está ainda nas trevas. O que ama seu irmão está na luz ... O que incomoda seu irmão está nas trevas ... ” (1Jo 2, 8-11)

Jesus se apresenta como a “luz do mundo” (Jo 8,12), mas “os homens amaram mais as trevas que a luz, porque suas obras eram más. Porque todo aquele que obra mal incomoda a luz ... Porque o que obra a verdade vem para a luz ... pois está em Deus” (Jo 3,19-21). A luz é sinônimo da verdade, e as trevas equivale a mentira  . Estas contraposições morais são correntes na literatura judaica e gnóstica. Em Qumran se contrapõe a “verdade” e a “perversão”, que equivale a obrar   mal, em quanto obra caliginosamente, nas trevas. O que tem consciência   tranquila, busca a luz, enquanto que o que obra avessamente, busca a obscuridade. É uma relação conceitual muito normal; e não é necessário buscar dependências diretas de uns textos a outros. São Paulo joga com conceitos análogos, contrapondo a situação   de pecado   e de justificação:

“Fostes algum tempo trevas, mas agora sois luz no Senhor; andais, pois, como filhos da luz. O fruto da luz é todo bondade, justiça e verdade ... Buscais aquele que é grato ao Senhor, sem se comunicar com as obras vãs das trevas” (Ef 5,6).
 
“Quanto à vós, irmãos, não vivais nas trevas, para que esse dia não os surpreenda como ladrão, porque todos são filhos da luz e filhos do dia; não sois filhos da noite nem das trevas” (Ts 5, 4-5).