Página inicial > Antiguidade > Judaico-Cristandade > Gnosticismo > Evangelho de Tomé > Evangelho de Tomé - Logion 22

BIBLIOTECA DE NAG HAMMADI

Evangelho de Tomé - Logion 22

EVANGELHO DE TOMÉ

sexta-feira 22 de julho de 2022, por Cardoso de Castro

    

Servidor Vigilante

    

Pla

Jesus   viu a uns pequeninos que mamavam, disse a seus discípulos: estes pequeninos que mamam são semelhantes aos que entram no reino. Eles lhe disseram: então, se nos tornarmos pequeninos, entraremos no reino?

Jesus lhes disse: quando façais de dois   um, e quando façais o que está dentro como o que está fora e o que está fora como o que está dentro e o que está acima como o que está abaixo, a fim de fazer o varão com a fêmea uma só coisa, de modo que o varão não seja varão e a fêmea não seja fêmea; quando façais o olho em vez de um olho e a mão   em vez de uma mão e o pé em vez de um pé; a imagem em vez de uma imagem, então entrareis no reino.


JESUS VIO A UNOS PEQUEÑOS QUE MAMABAN. DIJO A SUS DISCIPULOS: ESTOS PEQUEÑOS QUE MAMAN SON SEMEJANTES A LOS QUE ENTRAN EN EL REINO. ELLOS LE DIJERON: ENTONCES, SI NOS VOLVEMOS PEQUEÑOS, ¿ENTRAREMOS EN EL REINO? JESUS LES DIJO: CUANDO HAGAIS DE DOS UNO  , Y CUANDO HAGAIS LO QUE ESTA DENTRO COMO LO QUE ESTA FUERA Y LO QUE ESTA FUERA COMO LO QUE ESTA DENTRO Y LO QUE ESTA ARRIBA COMO LO QUE ESTA ABAJO, A HN DE HACER EL VARON CON LA HEMBRA UNA SOLA COSA, DE MODO QUE EL VARON NO SEA VARON Y LA HEMBRA NO SEA HEMBRA; CUANDO HAGAIS OJOS EN VEZ DE UN OJO Y LA MANO EN VEZ DE UNA MANO Y EL PIE EN VEZ DE UN PIE; LA IMAGEN EN VEZ DE UNA IMAGEN, ENTONCES ENTRAREIS EN EL REINO.

Puech

22. Jésus vit des petits qui tétaient. Il dit à ses disciples : Ces petits qui tètent sont semblables à ceux qui entrent dans le Royaume. Ils lui dirent : Alors, en devenant petits, nous entrerons dans le Royaume? Jésus leur dit : Lorsque vous ferez de deux un, et que vous ferez l’intérieur comme l’extérieur, et l’extérieur comme l’intérieur, et ce qui est en haut comme ce qui est en bas, et lorsque vous ferez, le mâle avec la femme, une seule chose [ou : « vous ferez du mâle et de la femme une seule chose »] en sorte que le mâle ne soit pas mâle et que la femme ne soit pas femme, lorsque vous ferez des yeux au lieu d’un œil, et une main au lieu d’une main, et un pied au lieu d’un pied, une image [eikon  ] au lieu d’une image, alors vous entrerez [dans le Royaume].

Suarez

1 Jésus vit des petits qui tétaient. 2 Il dit à ses disciples : 3 ces petits qui tètent sont semblables à ceux 4 qui entrent dans le Royaume. 5 Ils lui dirent : 6 alors en étant petits 7 entrerons-nous dans le Royaume ? 8 Jésus leur dit : 9 lorsque vous faites le deux Un, 10 et faites l’intérieur comme l’extérieur, 11 et l’extérieur comme l’intérieur, 12 et le supérieur comme l’inférieur, 13 afin de faire le mâle et le féminin 14 en un seul 15 pour que le mâle ne devienne mâle 16 et le féminin ne devienne féminin; 17 lorsque vous faites des yeux à la place d’un œil, 18 et une main à la place d’une main, 19 et un pied à la place d’un pied, 20 une image à la place d’une image, 21 alors vous entrerez dans le Royaume.

Meyer

(1) Jesus saw some babies nursing. (2) He said to his disciples, “These nursing babies are like those who enter the kingdom.”
(3) They said to him, “Then shall we enter the kingdom as babies?”
(4) Jesus said to them, “When you make the two into one, and when you make the inner like the outer and the outer like the inner, and the upper like the lower, (5) and when you make male and female into a single one, so that the male will not be male nor the female be female, (6) when you make eyes in place of an eye, a hand in place of a hand, a foot in place of a foot, an image in place of an image, (7) then you will enter [the kingdom].” [Cf. Galatians 3:27–28; Gospel   of the Egyptians; 2 Clement 12:2–6;
Martyrdom of Peter 9; Acts of Philip 140; Gospel of Thomas 114.]


Suarez

LOGION 22

Mt 19.13-14 // Mc 10.13-15 // Lc 18.15-17

Mt 19.17 // Mc 10.18 // Lc 18.19

Mt 16.19 // Mt 18.18 Mt 19.4-6 // Mc 10.6-9

Les parallèles scripturaires témoignent de la rapide dégradation du logion. Passant de l’unité du couple androgyne au dualisme du plan moral, Mt 19.5 a recours à Gn 2.24 : à partir de là, le rédacteur matthéen (19.6-9) a produit sa glose sur la fidélité, l’adultère, la répudiation et la prostitution à l’aide de Dt 24.1 qui traite du divorce. Le rédacteur n’hésite pas à placer dans la bouche de Jésus les paroles de l’A.T.

On trouve cependant dans les canoniques, malgré les altérations, d’autres traces du logion de Ts et en particulier du v. 12. Le terme copte que l’on a traduit par supérieur signifie : céleste, ce qui est en haut ; celui que l’on a traduit par inférieur : terrestre, ce qui est en bas. Mais, tandis que l’exhortation de Jésus invite au retour à l’Un, clef du Royaume, en faisant le supérieur comme l’inférieur, sans signaler la proposition inverse, le rédacteur matthéen (16.19 // 18.18) réintroduit plutôt un certain dualisme entre les choses du ciel et celles de la Terre.

A noter au sujet de Mt 19.17, que l’ensemble des traducteurs catholiques rendent είς εστιν ό άγαθός par : Seul est le Bon ou Un seul est le bon. Les traducteurs protestants de langue anglaise traduisent plus fidèlement par there is none good but one mais se croient généralement obligés d’expliciter ce verset énigmatique en ajoutant that is God  . Cependant l’A.S.V. traduit par One there is who is good et l’A.B.U.V, par One is the good : Un est le bien. Quant à la T.O.B., souvent décevante, elle est ici un peu plus heureuse en traduisant (celui qui mis à part) par : Unique est celui qui est bon (cf. log. 107, v. 6).

Roberto Pla

Os pequeninos em quem Jesus se compraz são aqueles seus seguidores, recém-nascidos do alto, cuja “medida” como lactantes do conhecimento, segundo se explica na parábola do semeador, é a menor entre aquelas que dão fruto   para o reino. Estes são paroquianos ainda não muito adiantados no templo  , mas já se contam entre os que entoam seus louvores ao filho-do-homem, e Jesus os identifica com os que nomeia o Salmo  : “Na boca dos pequeninos, os que ainda mamam, afirmas tu tua fortaleza”.

É então quando segundo o logion perguntam os discípulos se esta condição de ser "duas vezes nascido" serve por si só para franquear a entrada no reino. Com esta interrogação dão motivo a que o mestre os dirija um discurso acerca da unidade no qual explica que é esta, a unidade realizada — ser perfeitamente uno, como o Pai e o Filho são uno — é a única coisa que verdadeiramente faculta entrar no reino.

Nos passos até a unidade, a intuição   e nascimento pela fé do homem novo, eterno, é a chave que abre a porta do redil, mas só opera para entrar no reino quando se realiza como verdade   viva e profunda o fato superior de que o pastor, as ovelhas, a porta e inclusive o redil são todas uma só e mesma coisa (vide Pastor e Ovelhas). Isto é o que indicou Paulo Apostolo ao adotar a clássica similitude apologética da unidade dos diversos membros do corpo. Esta similitude deve entender-se justamente segundo o apóstolo, que dizer, não como soma harmonizada de muitas e variadas consciências que somente significaria uma unidade muito superficial, senão como universalidade da consciência   una e única “em Cristo”, qual raios do mesmo sol  . Esta unidade se alcança quando se obtém o conhecimento revelado e feito realidade   firme   “no homem   em Cristo, de que embora possa ter muitas “almas viventes” harmonizadas entre si pelo influxo da razão  , só existe, em verdade, “um espírito   que dá vida”, um Filho de Anthropos, isento de forma e portanto, ilimitado, absoluto  .

De fato, o homem duas vezes nascido, regenerado “desde acima”, engendrou “dois”; mas não se trata com isto da conhecida dualidade reflexiva da psique. É certo que a consciência aparece sempre dual, porquanto os postulados éticos, ou melhor a aspiração de qualquer gênero   supõem fricção com as correntes instintivas. Tudo isso, com a disjuntiva teológica dos dois caminhos do bem e do mal, está relacionado, sem dúvida, com a serpente   do Éden  , agarrada ao calcanhar para impedir a entrada no reino (vide Paul Nothomb  ); mas o “dois” engendrado pelo nascimento “do alto”, não tem nenhum parecido com o par de opostos  . Do que se trata neste caso é da aparição insólita, singular, filtrada através   dos interstícios que se abrem nos pensamentos quando estes se movem lentos e pacificamente. Se trata deste pneuma   cuja voz pode ser ouvida, como a do vento, quando sopra sem que seja possível saber “donde vem”, nem donde vai”. Isto o explica Jesus, que ao terminar a perícope diz: Assim é todo o que nasce do Espírito”.

Desde a interpretação   oculta, esta é a significação prática verdadeira dos primeiros passos de quem engendrou “dois”. Por conta deste “dois” vem a ser o homem como uma “cana agitada pelo vento”, segundo a bela e exata metáfora cunhada por Jesus para descrever a consciência que “esvaziada” de si mesma em ocasiões, é então impulsionada harmoniosamente pelo Espírito, “que te cingirá e te levará onde tu não queres” (Jo 21,18).

Mas o que o logion tenta descrever em uma primeira e fugaz percepção da entrada no reino, não é o começo do fruto que engendrou “dois” e que corresponde à mesma “medida” dos pequeninos que mamam, senão trânsito até a unidade, só acessível ao fruto maduro. Por esta transfiguração culminada cessa a consciência inteiramente para si mesma, porque o pneuma que agita incessantemente a cana já vazia, a invade com sua luz. Assim é como, ao final, se chega a “fazer de dois um”, o que significa “estar na luz” (Logion 11). Esta unidade que consiste em “trocar   o dois em um” é a que leva a converter-se em Filho   do Homem em plenitude   (Logion 106), e a que faculta certamente para entrar no reino.

Os outros termos da unidade que o logion menciona com certo detalhe, dependem do cumprimento da primeira exigência: “quando o dois se tenha feito um”. O sopro não distingue ao agir sobre a cana entre o que está dentro e o que está fora. É muito distinto do que ocorre ao homem psíquico, que estabelece de partida as diferenças ente   o Ser e o não-ser, entre o eu e o não-eu, e com isto fica incapacitado para a percepção da unidade do Ser. No entanto, o Filho do homem não conhece tal distinção. Por isso diz: “Tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber, etc ... (Mt 25,35).

Tampouco distingue o sopro entre o que está acima e o que está abaixo (v. acima-abaixo). O de abaixo é o primeiro homem, Adam, “alma   vivente”, que foi descrito durante séculos como a Esposa mística que consuma a unidade quando alcança suas bodas com o Esposo, o qual em sua universalidade é o “Espírito que dá Vida”, o último Adão  . Com tal epitalâmio se diz que o varão se faz com a fêmea uma só coisa, do qual resulta não ser exatamente nem fêmea nem varão senão o Filho do homem ressuscitado para a Vida total.

Os últimos versos do logion não resultam difíceis de entender: o olho, a mão, o pé, e inclusive a imagem ou totalidade do corpo, cessam como entidades separadas uma vez todos tenham bebido em um só Espírito. Com isto, tal como diz o evangelho de João: “estão já limpos graças à Palavra  ”, e conhecem e exercem bem sua função unitária como membros que são do corpo glorioso e universal   de Cristo.

Jesus explica tudo isso na grande parábola da Videira. O Filho do Homem é a videira verdadeira na qual permanece todo sarmento que dá fruto. Agora bem, “assim como o sarmento não pode dar fruto por si mesmo   se não permanece na videira”, assim o olho, a mão, o pé e a imagem não devem ser vistos como membros particulares de um só sarmento, senão entendido em plenitude como a totalidade da Videira. O Filho do homem é sempre a Videira verdadeira e por isso, para que essa unidade fosse entendida por muitos, o desígnio de Jesus sobre a terra   foi o que revelou o Sumo Sacerdote: “reunir   em Um aos dispersos Filhos de Deus” (Jo 11,52).


Ver online : Evangelho de Tomé