PhiloSophia

PHILO = Apreço + SOPHIA = Compreensão

Version imprimable de cet article Version imprimable

Accueil > Ocidente > Arthur Schopenhauer (1788-1860) > Schopenhauer (PP:449-452) – solidão e sociedade

Parerga and Paralipomena

Schopenhauer (PP:449-452) – solidão e sociedade

Short Philosophical Essays Vol. I.

mardi 14 septembre 2021

Excerto traduzido de SCHOPENHAUER, Arthur. Parerga and Paralipomena. Short Philosophical Essays Vol. I. Cambridge : Cambridge University Press, 2014, p. 449-452Paginação da edição crítica da obra completa : Sämtliche Werke, ed. Arthur Hübscher (Mannheim : F. A. Brockhaus, 1988), vols. 1–7.

Em geral?, as pessoas só podem estar? na mais perfeita harmonia? consigo mesmas - não? com seus amigos, não com seus amantes ; pois as diferenças de individualidade? e disposição? sempre levam à dissonância, mesmo que pequenas. Portanto, paz? de coração? genuína e profunda e paz de espírito? perfeita, esses mais elevados bens? terrenos após a saúde, podem ser? encontrados apenas na solidão? e, como uma disposição permanente, apenas no mais profundo? isolamento. E se nosso próprio? si mesmo é grande e rico, desfrutamos do estado? mais feliz que pode ser encontrado nesta terra? miserável. De fato?, sejamos francos ; por mais intimamente que as pessoas possam se unir à amizade?, amor? e casamento?, elas são absolutamente honestas apenas consigo mesmas e talvez também com seus filhos. – Quanto menos uma pessoa?, devido a condições objetivas ou subjetivas, tiver que entrar em contato com outras pessoas, melhor estará. Solidão e desolação, deixam-nos investigar seus males, mesmo que não possamos senti-los todos de uma vez. A sociedade?, por outro? lado, é insidiosa ; oculta por trás da aparência? de diversão, comunicação?, prazeres sociáveis e assim por diante, males grandes e muitas vezes irremediáveis. Uma área? importante de estudo? para os jovens deveria ser aprendendo a tolerar a solidão, porque é uma fonte? de felicidade? e paz de espírito. - Segue-se de tudo isso que aqueles que melhor são os que contam somente com eles mesmos e tudo podem ser para eles mesmos. Mesmo Cícero diz : ‘Quem está completamente sozinho e confia em si mesmo, não pode deixar de ser perfeitamente feliz’ (Parodoxon II). Além? disso, quanto mais alguém tem em si, menos os outros podem ser para ele. É um? certo sentimento? de auto-suficiência que impede as pessoas que possuem valor? e riqueza? interiores de fazer os sacrifícios consideráveis exigidos pela comunhão com os outros, sem falar? em buscar essa comunhão por meio? da acentuada abnegação?. O oposto disso torna as pessoas comuns tão sociáveis e complacentes, já que é mais fácil para elas tolerar outras pessoas do que elas mesmas. Devemos acrescentar a isso que o que tem valor real? não encontra estima no mundo?, e o que é estimado não vale nada?. A reclusão de todas as pessoas dignas e excelentes é a prova? e o resultado disto. Como resultado, alguém que tem algo valioso em si mesmo possui uma genuína sabedoria? de vida?, se em caso de ser necessário?, restringe suas necessidades para preservar ou expandir sua liberdade? e, consequentemente, faz suas relações inevitáveis com o mundo dos humanos, tão curtas quanto possível?.

Por outro lado, o que torna os seres humanos sociáveis é sua incapacidade de suportar a solidão e dentro da solidão eles mesmos. É o vazio? interior e o tédio? que os levam à sociedade, e também a terras e viagens estrangeiras. Sua mente? carece da força? elástica para transmitir seu próprio movimento? ; portanto, eles buscam aprimorá-la através do vinho, e muitos se tornam alcoólatras dessa maneira. Pela mesma razão?, eles precisam de constante excitação externa, de fato a mais forte, ou seja, a que provém de seres como eles. Sem isso, sua mente cai sob seu próprio peso? e cai em uma letargia opressiva. Também pode-se dizer que cada um deles é apenas uma pequena fração da Ideia? de humanidade?, daí que ele precisa ser grandemente suplementado por outros, para que uma consciência? humana um tanto completa surja. Por outro lado, quem é um ser humano? completo, um ser humano por excelência, representa uma unidade? e não uma fração e, portanto, tem o bastante em si. Nesse sentido?, podemos comparar? a sociedade comum com a música? de corneta russa, na qual cada corneta toca apenas uma nota? e a música é produzida apenas por todos as cornetas que soam juntas no momento? certo. Pois o sentido e a mente da maioria das pessoas são tão monótonos quanto uma corneta de uma nota ; de fato, muitos parecem ter? sempre o mesmo pensamento? e serem incapazes de pensar? em qualquer outra coisa?. Isso não apenas explica por que são tão chatas, mas também por que são tão sociáveis e preferem se mudar para um rebanho : o gregarismo da humanidade. É a monotonia de seu próprio ser que se torna insuportável para cada uma delas ; – "Toda estupidez sofre de cansaço com ela mesma" - somente juntos e conjuntamente são elas alguma coisa, assim como aqueles tocadores de corneta. Em contraste, a pessoa intelectualmente brilhante pode ser comparada a um virtuoso que realiza seu concerto sozinho ; ou ao piano. Assim como o piano, por si só, é uma pequena orquestra, ele é um mundo pequeno, e o que todos os outros são apenas através da colaboração, ele representa na unidade de uma consciência individual. Como o piano, ele não faz parte? de uma sinfonia, mas é adequado? para o solo e a solidão. Se ele deve trabalhar em conjunto com os outros, ele pode fazê-lo apenas como a voz principal do acompanhamento, como o piano ; ou para definir? o tom na música vocal, como o piano. – Enquanto isso, quem gosta de sociedade pode deduzir desse símile a regra? de que o que as pessoas com quem ele mantém companhia faltam em qualidade?, deve em certa medida? ser constituído em quantidade?. Em uma única pessoa brilhante, ele pode encontrar companhia suficiente. Mas se só se encontra apenas o tipo? ordinário, é bom? ter muitos deles, para que algo possa surgir da diversidade? e colaboração – em analogia? com a música de corneta que mencionei – e que o céu? lhe conceda.


Voir en ligne : Parerga and Paralipomena