Página inicial > Antiguidade > Orbe Figueira Infrutifera

Orbe Figueira Infrutifera

terça-feira 29 de março de 2022

      

CAPITULO 6.—Figueira Infrutifera - La higuera infructuosa (Lc 13,6-9)

    • Apócrifos
    • Gnósticos
    • Pistis   Sophia  
    • Eclesiásticos fuera de Ireneo
    • San Ireneo
      Segundo Orbe  , em Irineu se verifica que esta parábola constava do evangelho de Marcion; mas, de fato, não consta de Marcion; não há indicações em Tertuliano  ; para Epifânio, ela não estava presente   em Marcion; pode-se concluir que a omissão se explica pois o amo da figueira e de vinha (Luc XX, 9-18) era YHWH e o lavrador Cristo  , e o gnóstico se opunha a relacionar ambos, especialmente no tocante à salvação de Israel, simbolizado na figueira. Apócrifos
      "E vós tomais a comparação   da figueira: logo que saia sua renovação   e estique suas ramas (não tardará em) vir o fim do mundo. E eu, Pedro, lhe respondi e disse: Sobre a figueira indica-me em que o conheceremos, pois durante seus dias todos a figueira tem renovações, e cada ano traz fruto   para seus amos. O que significa a parábola da figueira? Não o sabemos. E me contestou o Mestre e disse-me: Não compreendes que a figueira é a casa   de Israel? Como um homem   havia plantado uma figueira em seu horto, e não trazia fruto, e buscava seus fruto por vários anos. E ao não encontrá-lo, disse ao guarda   de sue jardim: Arranca a figueira, não nos faça infrutuosa nossa terra  ! E o dono do horto disse a Deus  : Nós servos (?) queremos limpá-la (a figueira) e cavar ao seu redor e regá-la com água. Se então não traz fruto, em seguida arrancaremos suas raízes da horto e plantaremos outra em seu lugar  . Não compreendestes que a figueira é a casa de Israel? Na verdade   te digo, quando ao final tenham brotado as ramas, virão falsos Cristos e despertar  ão a esperança (dizendo): Eu sou   o Cristo, que (um tempo  ) vem ao mundo". (Apocalipse de Pedro)

      Por duas vezes se afirma que a figueira é a casa de Israel.

O amo do horto se distingue do guarda: o primeiro é Deus; o segundo demanda (no plural) a favor da figueira, seriam "servidores"; de Deus, não precisamente Cristo.
Gnosticismo   - Gnósticos
!Docetas de Hipólito

"Os que a si próprios se chamavam docetas dogmatizavam isto: Deus vem a ser como a primeira semente   da figueira. Em magnitude inteiramente pequeníssima; em virtude  , a grandeza   indefinida (dynamei de apeiron   megethos), sem número   em multiplicidade, autosuficiente para a gênese, refúgio dos temerosos, abrigo dos desnudos, véu do pudor   (aiskynes epikalymma), fruto apetecido (zetoumenon karpon) ao que veio - diz - o buscador três vezes e não achou. Por isto - diz - maldisse a figueira por não achar nela o fruto aquele doce, o fruto que buscava. Tal era e tão grande - por falar em figueira -, segundo eles, o Deus pequeno e grande. (E sendo assim) - como a eles lhes parece -, fez-se o mundo da seguinte maneira. Quando se enterneceram as ramas da figueira, brotaram folhas - como se pode ver - e em seguida o fruto, no qual se guarda a indefinida e a inumerável entesourada semente de figueira. Três são, a nosso parecer, as coisas que primeiro faz a semente da figueira: tronco, a saber, a figueira; folhas e fruto, o figo, segundo dissemos antes. Desta sorte - afirma - nasceram três Éon - eones (ou) princípios, a partir do primeiro princípio do universo  . E isto - diz - não o silenciou Moisés ao dizer que três são as palavras de Deus: obscuridade  , trevas  , tempestade (skotos, gnophos, thyella), e não adicionou mais. Deus, com efeito, nada adicionou aos três Éon - eones, a não se que eles sobrepuseram tudo às criaturas e continuam sobrepondo. Enquanto Deus permanece em si muito afastado dos três Éon - eones... Todos estes Éon - eones, os três e os indefinidos todos indefinidamente vindos deles, são hermafroditas. Incrementados, pois, e engrandecidos e feitos todos a partir daquele único primeiro esperma, produz-se a sinfonia e unidade   deles, e os todos (os eones) se juntaram em um éon - o intermédio -, fruto comum a (todos) eles. Engendraram de uma virgem ao salvador  , (situado) na região intermédia do universo, de virtude igual em tudo a semente do figo; aparte que este (o Salvador) é engendrado, enquanto aquele primeiro esperma donde veio a figueira é ingênito (ageneton)". Hipólito - Refutações

O fruto da figueira que buscava o amo é Deus ignoto, objeto de contínua inquisição.

Os três anos da parábola se convertem nos três Éon - eones que nasceram do cobiçado fruto, traduzidos em tronco, folhas e fruto, e nos três Logos   misteriosos: obscuridade, trevas e tormenta; membros do Unigênito por cujo meio se chega ao Deus ignoto.

Figueira mítica de baixo para cima, do homem a Deus, provoca três etapas de conhecimento, através do Logos unigênito. O Verbo   - Logos se dividiria em anthropos - Anthropos/Verbo - Logos/nous - Nous.

Possuído   o nous - Nous estará o homem em condições de abrir o cobiçado fruto, através de três Éon - eones e intuir a Deus ignoto.
Pistis Sophia
Eclesiásticos fuera de Ireneo