PhiloSophia

PHILO = Apreço + SOPHIA = Compreensão

Version imprimable de cet article Version imprimable

Accueil > Ocidente > Arthur Schopenhauer (1788-1860) > Schopenhaeur (MVR1:049-053) – espaço, tempo e matéria

O Mundo como Vontade e como Representação Tomo I

Schopenhaeur (MVR1:049-053) – espaço, tempo e matéria

Livro I §4

mardi 14 septembre 2021

Excerto de SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Primeiro Tomo. Tr. Jair Barboza. São Paulo : Editora UNESP, 2005, p. 49-53

Quem reconheceu a forma do princípio de razão que aparece no tempo puro como tal e na qual se baseia toda numeração e cálculo, também compreendeu toda a essência do tempo. Este nada mais é do que justamente aquela forma do princípio de razão, e não possui nenhuma outra propriedade. Sucessão é toda a sua essência. — Quem, ademais, conheceu o princípio de razão tal qual ele rege no mero espaço puramente intuído esgotou com isso toda a essência do espaço, visto que este é, por completo, tão-somente a possibilidade das determinações recíprocas de suas partes, o que se chama POSIÇÃO. A consideração pormenorizada desta, bem como a formulação? dos resultados daí advindos em conceitos abstratos para emprego cômodo, constitui o conteúdo de toda a geometria. — Do mesmo modo, quem compreendeu a figura do princípio de razão que rege o conteúdo daquelas formas [I 10] (tempo e espaço), da sua perceptibilidade, isto é, a matéria?, portanto a causalidade, também compreendeu a essência inteira da matéria como tal, pois esta é por completo apenas causalidade, do [49] que cada um se convence tão logo reflita sobre isso. O ser da matéria é o seu fazer-efeito. [1] Nenhum outro ser lhe é possível nem sequer pensável. Apenas como fazendo-efeito ela preenche o espaço e o tempo. Sua ação? sobre o objeto? imediato [2] (ele mesmo matéria) condiciona a intuição, na qual unicamente ela existe. A consequência da ação de qualquer objeto material sobre um outro só é conhecida na medida em que este agora age diferentemente de antes sobre o objeto imediato, e consiste apenas nisso. Causa e efeito, portanto, são a essência inteira da matéria. Seu ser é seu fazer-efeito. (Detalhes sobre o assunto se encontram no ensaio sobre o princípio de razão, § 21, p.77)· Por conseguinte, o continente de qualquer coisa material é, de maneira bastante acertada, nomeado WIRKLICHKEIT, efetividade na língua? alemã, [3] palavra muito mais significativa que Realität. [4] Aquilo sobre o que faz efeito é de novo sempre matéria. Seu ser, toda a sua essência, portanto, consiste apenas na mudança regular que UMA de suas partes produz na outra, por conseguinte é por completo relativa, conforme uma relação válida só no interior de seus limites, portanto exatamente como o tempo e o espaço.

Tempo e espaço, entretanto, cada um por si, são também representáveis intuitivamente sem a matéria. Esta, contudo, não o é sem eles : a forma, que lhe é inseparável, pressupõe o ESPAÇO. O fazer-efeito da matéria, no qual consiste toda a sua existência?, concerne sempre a uma mudança, portanto a uma determinação do TEMPO. Contudo, tempo e espaço não são apenas, cada um por si, pressupostos por ela, mas a essência dela é constituída pela união de ambos, exatamente porque a matéria, como [50] mostrado, reside no fazer-efeito, na causalidade. Todos os inumeráveis fenômenos e estados pensáveis poderiam coexistir no espaço infinito, sem se limitarem, ou também se seguirem uns aos outros no tempo infinito, sem se incomodarem. Daí então que uma relação necessária entre tais fenômenos e uma regra [I 11] que os determine em conformidade com aquela não seria de modo algum necessária, nem sequer aplicável. Por consequência, se acaso em cada coexistência no espaço e em cada mudança no tempo — e enquanto essas duas formas tiverem por si mesmas, sem conexão uma com a outra, o seu curso e persistência — não houvesse causalidade alguma, e visto que esta constitui a essência propriamente dita da matéria, então não haveria matéria alguma. No entanto, a lei de causalidade adquire a sua significação e necessidade? unicamente pelo fato de a essência da mudança não consistir apenas na alteração de estados em si, mas antes no fato de NO MESMO LUGAR do espaço haver agora UM estado, em seguida OUTRO e, NUM ÚNICO e mesmo tempo determinado, haver AQUI este estado, LÁ outro. Só essa limitação recíproca do tempo e do espaço fornece a uma regra, segundo a qual a mudança tem de ocorrer, significação e ao mesmo tempo necessidade. Aquilo a ser determinado pela lei de causalidade não é, portanto, a sucessão de estados no mero tempo, mas essa sucessão em referência a um espaço determinado ; não a existência de estados num lugar qualquer, mas neste lugar e num tempo determinado. A mudança, isto é, a alteração ocorrida segundo a lei causai, concerne, portanto, sempre a uma parte determinada do espaço e a uma parte determinada do tempo, SIMULTANEAMENTE e em união. Em conformidade com isso, a causalidade une espaço e tempo. Vimos que a essência inteira da matéria consiste no fazer-efeito, portanto na causalidade ; logo, também nesta têm de estar unidos espaço e tempo, vale dizer, ela tem de portar simultaneamente em si propriedades de ambos, por mais que eles se contradigam. Aquilo que em cada um é por si impossível, ela tem de unir em si, portanto o fluxo contínuo do tempo com a permanência rígida e imutável do espaço. Quanto à indivisibilidade infinita, ela a possui de ambos. De acordo com isso, encontramos introduzida por ela, primeiramente, a SIMULTANEIDADE, que não poderia se dar no mero tempo, alheio a toda coexistência, nem no mero espaço, alheio a todo antes, depois ou agora. Mas o que [51] constitui propriamente a essência da efetividade é a SIMULTANEIDADE de muitos estados, pois só mediante a simultaneidade é possível a DURAÇÃO, já que esta só é cognoscível na alteração do que existe [I 12] simultaneamente com aquilo que permanece. Todavia, também só por meio daquilo que permanece na alteração é que a alteração adquire, agora, o caráter de MUDANÇA, isto é, a modificação da qualidade e da forma a despeito da permanência da SUBSTÂNCIA, vale dizer, da MATÉRIA.Que matéria e substância sejam uma coisa só, está desenvolvido no apêndice. No mero espaço o mundo? seria rígido e imóvel : nenhuma sucessão, nenhuma mudança, nenhum fazer-efeito ; com a supressão do fazer-efeito também seria suprimida a representação da matéria. No mero tempo, por sua vez, tudo seria fugidio : nenhuma permanência, nenhuma coexistência e, por conseguinte, nada de simultâneo, portanto nenhuma duração ; logo, também nenhuma matéria. Apenas pela união de tempo e espaço surge a matéria, vale dizer, a possibilidade da simultaneidade e, com isso, da duração ; mediante esta, a permanência da substância a despeito da mudança de seus estados. [5] Tendo a sua essência no unir tempo e espaço, a matéria porta, sem exceção, a marca de ambos. Ela certifica sua origem? a partir do espaço, em parte, pela forma que lhe é inseparável ; em especial, entretanto (visto que a alteração pertence unicamente ao tempo, e neste somente, e por si, nada é permanente), mediante sua permanência (substância), cuja certeza a priori se deduz por completo do espaço. [6] A origem da matéria a partir do tempo, todavia, manifesta-se na qualidade (acidente), sem a qual não aparece, e que é sempre causalidade, fazer-efeito sobre outra matéria, portanto mudança (um conceito temporal). A legalidade desse fazer-efeito, no entanto, relaciona-se sempre ao espaço e ao tempo simultaneamente, e justamente apenas aí possui significação. Qual estado tem de entrar em cena NESTE TEMPO E NESTE LUGAR é a determinação à qual exclusivamente se estende o legislar da causalidade. Nesta derivação das determinações [52] fundamentais da matéria a partir das formas conscientes a priori do nosso conhecer, baseia-se o reconhecimento das propriedades a priori daquela, a citar, preenchimento do espaço, isto é, impenetrabilidade, [I 13] vale dizer, eficácia, bem como extensão, divisibilidade infinita, permanência, ou seja, indestrutibilidade e, por fim, mobilidade. A gravidade, ao contrário, apesar de sua universalidade, deve ser computada entre os conhecimentos a posteriori, apesar de KANT, nos seus Princípios metafísicos da ciência da natureza?, p.71 (Ed. Rosenkranz, p.372), a estabelecer como cognoscível a priori.


Voir en ligne : O Mundo como Vontade e como Representação Tomo I


[1No original, Wirken. (N. T.)

[2O corpo. (N. T.)

[3Mira in quibusdam rebus verborum est, et consuetudo sermonis antiqui quaedam efficacissimis notis signat (“A adequação das palavras para expressar certas coisas é impressionante, e ο uso da linguagem pelos antigos exprime muitas coisas de uma maneira maravilhosa”) (Sêneca, Epist. 81).

[4Como se vê, a língua alemã possui dois termos para realidade, o de uso corrente Wirklichkeit, efetividade, realidade efetiva, e o de origem latina Realität. Wirklichkeit é mais apropriado justamente porque deriva de wirken, fazer-efeito. A realidade efetiva, Wirklichkeit, pois, é um fazer-efeito, wirken, do sujeito que conhece. (N. T.)

[5Isso o mostra também o fundamento da explicação kantiana da matéria, “que ela é o elemento móvel no espaço”, pois o movimento consiste apenas na união de espaço e tempo.

[6Não do conhecimento do tempo, como Kant quer, o que é explicado no apêndice.