Página inicial > Medievo - Renascença > Maximo Centurias Teologia I Sabá

Maximo Centurias Teologia I Sabá

terça-feira 29 de março de 2022

    

Tradução em grande parte feita a partir da versão francesa da Philokalia  , mas eventualmente utilizada a versão inglesa.
Primeira Centúria
Sabá
35. O que foi criado no tempo e de acordo com o tempo está submetido a um fim e põe um termo a seu crescimento segundo a natureza. Mas o que se faz pela ciência de Deus   de acordo com a virtude, chegado a seu fim retoma em direção   ao crescimento. O fim das primeiras coisas é então o começo de outras. Pois aquele que, pelas virtudes, de acordo com a praxis   - ação, reverteu nele mesmo o fundamento das coisas corruptíveis, abriu a via a outras configurações mais divinas. Jamais Deus para de fazer o bem, que não tem início. Do mesmo modo, com efeito, que o próprio da phos   - luz é clarear, o próprio de Deus é fazer o bem. Eis porque na Lei, que expõe o curso das coisas tal qual nascem e morrem de acordo com o tempo, o sabá é honrado pelo repouso  , mas no Evangelho, que ensina o estado das coisas inteligíveis, este mesmo sabá está iluminado pelo benfeitoria das obras boas, quando até se irritavam aqueles que não sabiam ainda que o sabá foi feito para o homem  , mas não o homem para o sabá, e que o Filho   do homem é Senhor até mesmo do sabá.

36. Há na Lei e nos Profetas um sabá, sabás e sabás de sabás. Do mesmo modo, há uma circuncisão, uma colheita e uma colheita de colheita, assim como foi dito: «Quando colheres vossa colheitas». O primeiro termo significa portanto o cumprimento da filosofia praktike - prática, física e teológica. O segundo significa a liberação   do devir e das razões do devir. O terceiro significa o aporte e o deleite das razões mais espirituais dos sentidos e da nous - inteligência  . Há assim três termos para cada uma das coisas que acabamos de dizer, a fim de que aquele que tem o conhecimento (gnosis  ) saiba as razões pelas quais Moisés celebra o sabá morrendo fora da terra   santa, as razões pelas quais Josué circuncisou os filhos de Israel   depois da passagem do Jordão, e as razões pelas quais aqueles que herdaram a boa terra aportam para Deus, na super abundância  , a oferenda da dupla colheita.

37. O sabá é a apatheia   - impassibilidade da alma   dotada de razão que, pelo conhecimento (gnosis) prático, apaga por completo os estigmas do pecado  .

38. Os sabás são a liberdade da alma dotada de razão, a qual, pela theoria   - contemplação natural em espírito  , se desapegou desta energia que, segundo a natureza, porta   sobre os sentidos.

39. Os sabás dos sabás são a calma   espiritual da alma dotada de razão, a qual despiu a nous - inteligência de todas estas razões mais que estão nos seres. No êxtase amoroso ela revestiu totalmente somente Deus, e pela teologia mística tornou a nous - inteligência inteiramente imóvel   diante de Deus.

40. A circuncisão é aquilo que, acerca do devir, afasta o estado apaixonado da alma.

41. A circuncisão da circuncisão é a rejeição, que retira totalmente, acerca do devir, mesmo os movimentos naturais da alma.

42. A colheita da alma dotada de razão é a arte de recolher e de reconhecer as razões mais espirituais dos seres, segundo a virtude e segundo a natureza.

43. A colheita da colheita é, inacessível a todos após a theoria - contemplação mística das coisas inteligíveis, a compreensão de Deus que se ordena de maneira desconhecida pela nous - inteligência. É desta compreensão que testemunha, como convém, aquele que, a partir das criaturas visíveis e invisíveis, honra   dignamente o Criador.

44. Há ainda outra colheita mais espiritual. É aquela da qual se diz que é a colheita de Deus. Há também uma outra circuncisão mais secreta. E há um outro sabá mais oculto, no qual Deus, celebrando o sabá, se repousa de suas próprias obras. Tudo isto foi dito: «A colheita é grande, mas poucos são os trabalhadores». E: «A circuncisão do coração   em espírito. E:»Deus bendiz o sétimo dia e o santifica. Pois nele se repousou de todas as obras que começou por fazer. "

45. A colheita de Deus está em todo lugar onde se repousam e habitam aqueles que são dignos de estar nele no final dos tempos.

46. A circuncisão do coração em espírito é retirada total das energias naturais dos sentidos e da nous - inteligência acerca das coisas sensíveis e inteligíveis, pelo advento   do Espírito que transfigura imediatamente e totalmente o soma - corpo e alma, com vistas àquilo que é mais divino.

47. A celebração do sabá é a total realização   das criaturas nele. Faz então com que a energia mais divina inefavelmente realizada se repouse da energia natural que despendeu no seio das criaturas. Pois pode-se fazer com que Deus se repouse da energia natural que se encontra em cada ser (esta energia pela qual cada ser tem naturalmente o movimento), quando cada um, depois de ter recebido a sua medida a energia divina, determina a volta de de Deus ele mesmo sua própria energia segundo a natureza.


Ver online : Philokalia