Página inicial > Antiguidade > genesis

genesis

terça-feira 29 de março de 2022

    

VIDE: gênese - GÊNESE; NASCIMENTO; Filiação - FILIAÇÃO; Criação - CRIAÇÃO; ORIGEM; NATUREZA; Dias do Filho   do Homem   - DIAS DO FILHO DO HOMEM  

TRADIÇÃO PLATÔNICA


EVANGELHO DE JESUS  : Livro da geração (genesis  ) de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. (Mt   1:1)

Ora, o nascimento (genesis) de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo  . (Mt 1:18)

E terás prazer e alegria  , e muitos se alegrarão no seu nascimento, (Lc   1:14)

Porque, se alguém é ouvinte da palavra, e não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho   o seu rosto natural (genesis); (Tiago   1:23)

A língua também é um fogo  ; como mundo de iniquidade, a língua está posta entre os nossos membros, e contamina todo o corpo, e inflama o curso da natureza (genesis), e é inflamada pelo inferno. (Tiago 3:6)


Segundo o «Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento  », de Coenen & Brown, no grego clássico gerar, tornar-se pai de, dar à luz.

gennao é a forma causativa de ginomai (Liddell-Scott). A forma retroativa genna, «origem», «raça  », «nascimento». Pertence à mesma raiz gen- que aparece em várias palavras latinas tais como genus («raça  »). Gennao se emprega para «gerar» da parte do pai, e «dar à luz» da parte da mãe. Este é certamente o caso na literatura gr. posterior   (Apolodoro, Luciano, Plutarco  ). No mundo secular do Novo Testamento, gennao tem o significado de «vir a existir» bem como «produzir» num sentido metafórico ou vagamente gral.

As palavras em grego para «nascimento», «geração», «dar à luz», «aborto», «regeneração», têm a ver com o nascimento tanto literal como metaforicamente. Por exemplo, tikto significa «dar à luz», «parir». A palavra mais frequentemente usada, gennao significa tanto «dar à luz» como «gerar». Emprega-se com respeito ao nascimento de Jesus e com o prefixo «ana» em João (anagennao), com respeito à renovação   do homem através do novo nascimento no Espírito Santo; palingenesia, por sua vez, significa a regeneração tanto de um indivíduo   como da ordem   do mundo; ginomai, originalmente significava nascer, porém no NT este significado se enfraqueceu, e o verbo se emprega com o sentido geral de «vir a ser», «acontecer». Os substantivos genea («raça,»geração«) e genesis,»nascimento«,»origem«,»genealogia«) derivam deste verbo. Por outro lado, ektroma significa»aborto".


Cristologia Mestre Eckhart  : Eckhart Nascimento - NASCIMENTO - GERAÇÃO - FILIAÇÃO

Philokalia  -Therapeutes - Jean-Claude Larchet  
Em sua criação, o homem já possuía uma certa perfeição; primeiramente aquela de suas faculdades   espirituais, e particularmente: de sua inteligência  , imitação   daquela de Deus  , capaz de lhe fazer conhecer seu Criador; de sua vontade livre criada à imagem daquela de Deus e tornando-o capaz de orientar todo seu ser em direção   a Ele; de todos seus poderes de desejo e de atração, traços   reproduzidos nele da caridade divina, lhe permitindo se unir a Deus.


Gnosticismo   Antonio Orbe  : Cristologia Gnostica - CRISTOLOGIA GNÓSTICA

Peratas, setianos y Naassenos - naasenos apuntaban más que desarrollaban. Su aparente confusión entre lo genneton - génito y el «mundo particular» o sensible   encubre, por demasiado sabida, una rigurosa diferencia. El mundo particular (tò idikon) indica el cosmos sensible, hílico  , receptáculo   de lo «genneton - génito», así como lo genneton - génito (tò genneton) afecta derechamente a lo divino engendrado en el mundo. Uno y otro se confunden prácticamente, como el continente o receptáculo (= el cosmos) con el contenido más significado (= la simiente divina).

Tal genneton - génito, a diferencia del autogenes, aparece — es concebido y engendrado — en el mundo sensible como germen diseminado desde arriba para su desarrollo y madurez a merced de las leyes de la materia y del alma  . Mientras el autogenes (= Cristo) nació del ageneton - Ingénito, con perfecta independencia de medios extraños, como espontánea proyección de su idea   (resp. economía internamente por El ideada).


Filosofia Michel Henry  : Michel Henry Verdade - EU SOU   A VERDADE Aqui se fende o abismo   que separa Nascimento - nascimento e Criação - criação. Que o homem seja Filho quer dizer, para ele como para o Arquifilho, que ele não é criado. A tese segundo a qual Deus criou o homem a sua imagem significa logo duas coisas. Em primeiro lugar, que o homem não é precisamente criado — e é a razão pela qual ele não é um ser-do-mundo (Michel Henry Filho de Deus - O HOMEM ENQUANTO FILHO DE DEUS). Em segundo lugar, que ele não é uma imagem (eikon). Pois em termos de imagem só há no mundo, sobre o fundo desta disposição   em imagem original que é o horizonte   do mundo em sua fenomenalização extática. Se o homem fosse uma imagem, se fosse criado à maneira pela qual o mundo é criado, não poderia precisamente mais ser a “imagem” de Deus, portar nele a mesma essência  , a essência   da Vida — não seria mais e não poderia ser um vivente. As prescrições de uma fenomenologia do nascimento não sofrem exceção, o que elas implicam ou excluem vale universalmente. Não há mais Filho no mundo senão Arquifilho. Para a inteligência disto que é o homem em sua essência verdadeira, a fenomenologia do mundo deve ser dispensada como ela o foi para o Cristo ele mesmo — e por ele.

Michel Henry Encarnação   - ENCARNAÇÃO
Conocemos las proposiciones iniciáticas del Jo 1,1-18 - Prólogo de Juan que nos permiten comprender la unidad del transcendência   - punto de vista transcendental de las Escrituras  . Esta unidad se manifiesta claramente cuando la Criação - idea de creación deja sitio a la de generación. El hombre sólo puede ser comprendido a partir de la idea de generación. La generación del hombre en el Verbo (señalamos que la creación bíblica se produce ella misma en el Verbo, en la Palavra - Palabra de Dios, que es la palavra da Vida - Palabra de la Vida: «Fiat   Lux - Dios dice [...]») repite la generación del Verbo en Dios como su auto-revelación. Esta homogeneidad entre la generación del Verbo y la del hombre explica por qué el Verbo, al encarnarse para hacerse hombre, no ha venido al mundo, sino a una carne, «a los suyos» — entre aquellos que han sido generados en Él y le pertenecen desde siempre —. Sin embargo, cuando tratamos de comprender todo esto, hemos abandonado la historia  , ya no hemos de seguir el desarrollo cronológico de las Escrituras, cuya perspectiva también se invierte. El concepto de generación da su sentido exhaustivo y adecuado a la creación; el Jo 1,1-18 - Prólogo de Juan nos permite comprender el Génesis.