Página inicial > Oriente > Briantchaninov Igreja do Oriente

Briantchaninov Igreja do Oriente

terça-feira 29 de março de 2022

    

(Les miettes du festin, Editions Présence, 1978)

Aquele que deseja se consagrar a prece   de Jesus   (Kyrie Eleison) sem cometer erros deve se controlar a si mesmo  , assim como a maneira de agir (praxis  ) com a prática (praktike), por uma leitura assídua dos seguintes escritos patrísticos : as Centúrias sobre a sobriedade   (hesychia) e a virtude   (arete) de Hesiquio Batos - Hesiquio, Padre   em Jerusalém; os Capítulos sobre a sobriedade (hesychia) e a vigilância de Filoteu do Sinai   - S. Filoteu o Sinaita; as Instruções dobre a atividade   oculta no Cristo de Teoleptos da Filadelfia   - S. Teolepto, metropolita de Filadélfia; os escritos de Symeon   Novo Teologo - S. Simeão o Novo Teólogo e de Gregorio do Sinai - S. Gregório o Sinaita; o Tratado da vigilância (nepsis) e da guarda   do coração   de Niceforo o Solitario - Niceforo o Solitário  ; as obras dos santos Callisto Xanthopoulos   - Callisto e Ignácio Xanthopoulos; a Tradição   de Nilo do Sinai   - S. Nilo da Sora; a Antologia do hieronimo Doroteo de Gaza   - Doroteo, etc.

Na Filocalia   no Tratado sobre os três modos   de oração de Symeon Novo Teologo - S. Simeão o novo Teólogo, no Tratado de Niceforo o Solitario - Nicéforo o Solitário e nos escritos dos santos Ignácio e Callisto Xanthopoulos, o leitor encontra um ensinamento sobre a arte de introduzir o espírito   no coração por meio da respiração natural, ou seja, a técnica que ajuda   a alcançar a oração mental   (euche). Não se atenha tanto as instruções, forçando sua natureza, mas entenda que o essencial e que o espírito   se uma ao coração durante a oração, mas é a graça   (kharis) de Deus   que realiza isto, a seu tempo  .

Outra maneira de fazer a oração (euche), equivalente à técnica mencionada consiste em pronunciar   a prece sem pressa, respeitando breves pausas, a respiração calma e lenta, fixando o espírito nas palavras da prece. Isto leva a certo grau de atenção   (epimeleia  ), onde a o coração começa a entrar em harmonia   com a atenção do espírito. Esta harmonia se transforma pouco a pouco em união   do espírito com o coração, e o método proposto pelos Padres se revela por si mesmo.

O atributo essencial, indispensável da prece é a atenção (epimeleia). Sem atenção não há oração. A verdadeira atenção dada pela graça nos chega quando mortificamos os desejos de nosso coração a respeito do mundo. Os suportes adicionais nada mais são suportes. Os próprios Padres dizem que uma vez criado o hábito   desta união do espírito com o coração, pelo dom e ação da graça, nenhuma técnica se faz mais necessária. Esta união pela graça nos dá um movimento   único e corretamente orientado para Deus.

Essa união proporciona também as condições de resistir aos pensamentos (logismos  ) e as paixões (pathos  ), pelo efeito da graça, como fruto   do Espírito Santo que cobre por sua sombra invisível   o trabalho   ascético (askesis  ) do atleta de Cristo.

Quanto ao “lugar do coração” (kardia), os Padres designam como tal a potência contemplativa do coração (o olho do coração que é o “órgão” de contemplação de Deus — “Bem aventurados os que têm o coração puro, pois verão Deus” - Mat. 5,8), alojada na parte superior do coração. Esta potência é o diferencial entre o coração humano e animal  , pois estes possuem, como os homens, a força da vontade (thelema), ou potência concupiscível e a força do zelo  , ou potência irascível. A potência contemplativa manifesta-se pela consciência   moral ou pela intuição   direta (sem intervenção da razão), pelo temor (phobos  ) a Deus, pelo amor espiritual a Deus e ao próximo, por um sentimento de arrependimento (metanoia  ), de humildade   e de doçura, pela contrição de nosso espírito (ou profundo lamento por nossos pecados) e por outros sentimentos, desconhecidos nos animais. A potência da alma   (psyche) é o espírito (intelecto — nous, e sendo imaterial tem sua sede no cérebro  .

A união do espírito e do coração é a união dos pensamentos espirituais, do espírito (intelecto, nous) com os sentimentos espirituais do coração. Pela Queda os pensamentos (logismos) e sentimentos, de espirituais se tornaram carnais (sarx  ) e psíquicos, devendo ser reconduzidos à esfera   espiritual de onde provêm. Curados de sua “enfermidades” os pensamentos e sentimentos se reúnem ao Senhor, formando na parte do coração onde se encontra a potência contemplativa o templo   de Deus, “não feito da mão   do homem  ” mas espiritual, o Santo dos Santos: onde o espírito ordenado padre e consagrado bispo vai adorar Deus em Espírito e em Verdade  . “Pois somos, nós, o templo do Deus Vivente, como Deus disse: No meio deles habitarei e andarei, serei seu Deus e eles serão meu povo” (2Cor 6,16).

Abaixo da potência contemplativa, no meio do coração, se situa a potência irascível (thymikon); e acima dela, na parte inferior   do coração, encontra-se a sede da potência concupiscível (epithymia  ) ou vontade. Nos animais estas potências agem de modo grosseiro sem a presença   de uma potência contemplativa. Nos homens sua ação depende do grau de desenvolvimento da potência contemplativa. No cristão, enquanto àquele que se submete à sabedoria   de Cristo, o espírito e o coração se unem pelo Espírito e pela Verdade, na renúncia à natureza caída para atrair a graça (kharis) do Espírito Santo, e assim alcançar as condições de exercício de sua cura  .